10:23 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bombeiros tentam apagar um incêndio em um tanque de petróleo no porto de Es Sider, na Líbia, em 26 de dezembro de 2014

    Daesh ataca porto petrolífero estratégico na Líbia

    © REUTERS / Stringer
    Mundo
    URL curta
    316
    Nos siga no

    Militantes armados do Daesh (autodenominado Estado Islâmico) supostamente atacaram o porto petrolífero de Es Sider na Líbia, atualmente controlado pela facção governamental internacionalmente reconhecida da guerra civil no país.

    Segundo testemunhas e fontes militares ouvidas pela agência de notícias Reuters, os jihadistas atacaram os guardas no porto nesta segunda-feira (4).

    Es Sider, que está sob o controle do governo internacionalmente reconhecido da Líbia, está fechado há mais de um ano, como resultado da mais recente guerra civil entre as facções seculares e islâmicas do país. Em 2015, o Daesh capturou alguns territórios ao redor da cidade costeira de Sirte, mas ainda não conseguiu obter controle sobre instalações petrolíferas na Líbia.

    "Es Sider é protegido pela Guarda de Instalações Petrolíferas Ibrahim al-Jathran, uma facção armada federalista", informou a Reuters.

    O Daesh começou a ganhar terreno na Líbia em meio à guerra civil deflagrada no país após a destituição do então presidente Muammar Khaddafi, em 2011, em uma operação internacional assistida pela OTAN.

    O grupo terrorista já havia atacado o porto de Es Sider em outubro, quando entrou em confronto com as forças que protegem o terminal em um de seus portões.

    Mais:

    Exército sírio lança mais um ataque contra infraestrutura do Daesh
    Daesh ameaça invadir a Grã-Bretanha e chama David Cameron de 'imbecil'
    EUA e aliados planejam outra invasão na Líbia
    Premier da Líbia: Rússia demonstrou prontidão para apoiar o combate ao Daesh
    Tags:
    militantes, porto, guerra civil, governo, petróleo, terrorismo, Es Sider, ISIS, Daesh, OTAN, Estado Islâmico, Muammar Khaddafi, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar