18:15 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    836
    Nos siga no

    A administração do presidente dos EUA na época estava opinando que a informação obtida poderia ser útil para realização de negociações com o premiê israelense, que se mostrava contra o acordo sobre o programa nuclear iraniano.

    De acordo com o Wall Street Journal que se refere às declarações de representantes do governo norte-americano, o monitoramento efetuado pela Agência Nacional de Segurança (NSA na sigla em inglês) de políticos de alto escalão de Israel também registrou o conteúdo de conversas privadas com membros do Congresso norte-americano.

    Dois anos atrás o presidente norte-americano Barack Obama declarou sobre a cessão do programa de monitoramento de conversas telefônicas de chefes dos países-aliados dos EUA, mas a Casa Branca decidiu continuar monitorando certos aliados. Segundo a mídia, o premiê israelense Benjamin Netanyahu foi um destes.

    O Wall Street Journal também divulgou que um alto representante das autoridades dos EUA declarou que as autoridades executivas podem ser acusadas de espionar o Congresso dos Estados Unidos.

    De acordo com a publicação, as escutas mostram como Netanyahu e seus conselheiros compartilhavam detalhes sobre as negociações, obtidos através da espionagem, com o intuito de miná-las. Os representantes de alto escalão político de Israel discutiam com os grupos israelenses-americanos os argumentos principais contra o acordo do programa nuclear iraniano e perguntaram membros do Congresso norte-americano que ainda não decidiram a sua posição o que é preciso para receber os seus votos em contra.

    Mais:

    Segurança da internet: Como se defender da espionagem internacional?
    Tags:
    espionagem, Agência Nacional de Segurança (NSA), Barack Obama, Benjamin Netanyahu, EUA, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar