23:37 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Fotos da semana

    Chancelaria: fracasso dos EUA em isolar a Rússia torna-se óbvio em 2015

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Mundo
    URL curta
    9202

    O fracasso dos Estados Unidos de alcançar o “isolamento” da Rússia tornou-se óbvio em 2015, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia em comunicado nesta terça-feira (29).

    “O fracasso das tentativas dos EUA de alcançar o ‘isolamento’ do nosso país tornou-se óbvio este ano. O intensivo diálogo bilateral nos níveis mais altos mostra isso eloquentemente”, diz-se no comunicado dedicado aos maiores acontecimentos políticos de 2015. 

    Segundo a chancelaria russa, Moscou e Washington continuaram o trabalho conjunto sobre a resolução dos problemas de segurança e estabilidade internacionais, inclusive as situações na Ucrânia e na Síria.

    O comunicado sublinha que os dois países deram uma importante contribuição conjunta para o alcance do acordo geral sobre o programa nuclear iraniano.    

    Após a reunificação da península da Crimeia com a Rússia em 2014, e escalação da crise ucraniana naquele ano resultou em hostilidades na região de Donbass, tendo as relações entre a Rússia e o Ocidente começado a deteriorar-se. 

    A União Europeia, junto com os Estados Unidos, condenaram a adesão da Crimeia à Rússia chamando-a de anexação, recusando-se a reconhecer o resultado do referendo no qual 96 por cento da população local da península votaram em favor da reunificação com a Rússia. Além disso, o Ocidente acusou a Rússia de fomentar o conflito das autoridades de Kiev com as milícias independentistas no leste da Ucrânia.

    Como medida punitiva, o Ocidente impôs uma série de rodadas de sanções contra Moscou a partir de julho de 2014.

    Na semana passada, a União Europeia estendeu as sanções econômicas contra a Rússia por mais seis meses, alegando a falha de implementação completa dos Acordos de Minsk, que visam regularizar a crise ucraniana.

    Tags:
    negociações, isolamento, Ministério das Relações Exteriores, Irã, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik