11:23 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Agente da Polícia Local do Afeganistão toma a posição no distrito de Marjah na província de Helmand durante a batalha contra o Talibã, Afeganistão, 23 de dezembro de 2015

    Avanço do Talibã mostra que estratégia da OTAN não é perfeita

    © AFP 2019 / NOOR MOHAMMAD
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    13101
    Nos siga no

    Os avanços mais recentes do Talibã, que tomou áreas estratégicas na província afegã de Helmand, mostram os defeitos sérios na estratégia da OTAN de prestar ajuda em forma de aconselhamento para o exército afegão e não através de tropas de combate.

    Passados 14 anos desde a intervenção no Afeganistão, liderada pelos EUA, a Força Internacional de Assistência para Segurança (ISAF na sigla em inglês) foi dissolvida em dezembro de 2014 e substituída pela missão da OTAN chamada de Apoio Resoluto. Esta missão foi lançada em 1 de janeiro de 2015 para assegurar “treinamento, aconselhamento e assistência para as forças de segurança e instituições afegãs”, de acordo com a OTAN.

    No comunicado diz-se que a missão “será realizada com centro em Cabul e Bagram e quatro filiais em Mazar-e Sharif, Herat, Kandahar e Laghman”. Entretanto, a operação não abrange a província de Helmand, onde ocorreram algumas das batalhas mais violentas contra o Talibã.

    No total, a missão Apoio Resoluto inclui mais de 13 mil especialistas com apoio técnico de 42 países. É liderada pelo general John F. Campbell e assegura treinamento, bem como financiamento significativo da Força de Defesa e Segurança Nacional afegã.

    Todavia, em 19-20 de dezembro, o Talibã fez avanços significativos na província de Helmand. Até quarta-feira (23) o Talibã conquistou praticamente todos os distritos da província, obrigando os EUA e o Reino Unido a enviar forças adicionais para ajudar ao exército afegão e provocando criticismo de falta do apoio aéreo da OTAN.

    Segundo a Reuters, o ministro da Defesa do Afeganistão atual, Masoom Stanekzai, disse que ocorreu um combate em Sangin, onde as forças do governo foram cercadas pelos rebeldes, que controlavam a maior parte do distrito inclusive as estradas necessárias para fornecer reforços e reservas.

    “Os militares estão em posição e a operação continua”, disse Stanekzai durante a conferência de imprensa em Kabul, acrescentando que chegaram reforços à província para ajudar as tropas em Sangin. O chefe da polícia da província, Abdul Rahman Sarjang, disse que a situação melhorou desde o início da semana mas que as batalhas violentas continuam.

    Para onde vai a OTAN?
    © Sputnik / Vitaly Podvitsky
    Para onde vai a OTAN?

    As forças governamentais queixaram-se muito de que foram deixadas sem reservas adequadas e reforços, nem apoio aéreo que protegesse as forças da OTAN quando combatiam na região.

    Conselheiros militares britânicos se juntaram aos da OTAN em Helmand para ajudar as forças afegãs, com o objetivo de deter rebeldes.

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    Tags:
    rebeldes, estratégia, terrorismo, Talibã, OTAN, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar