16:23 17 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    221
    Nos siga no

    A Human Rights Watch (HRW) denunciou na terça-feira (22) que o Exército nigeriano massacrou aproximadamente 300 muçulmanos do Movimento Islâmico da Nigéria, em Zaria, no norte do país. Os ataques teriam acontecido em três pontos entre os dias 12 e 14 de dezembro.

    Segundo a ONG de direitos humanos, 16 testemunhas dos assassinatos e outras cinco pessoas, incluindo autoridades, contaram que os soldados nigerianos dispararam contra membros do grupo xiita. O Exército se defendeu dizendo que os jovens muçulmanos montaram barricadas perto de uma mesquita e que eles tentaram matar o chefe da força oficial, General Tukur Burutai, quando este passava em comboio.

    “É quase impossível ver como um obstáculo de jovens revoltados poderia justificar os assassinatos de centenas de pessoas. Na melhor das hipóteses, foi uma reação exagerada e brutal e, na pior, um ataque planejado sobre o grupo da minoria xiita”, argumentou o diretor da HRW para a África, Daniel Bekele.

    O site do Movimento Islâmico da Nigéria publicou que o Exército nigeriano demoliu um centro religioso muçulmano em Zaria. Já Nusaibah Ibraheem Zakzaky, filha do principal dirigente do grupo, Sheikh Allama Ibrahim Zakzaky, que estaria preso, afirmou, em entrevista a Khamenei.ir, que o pai nunca se identificou como o líder de uma seita e que o massacre aconteceu no dia 12.

    Ela destacou que há relatos de que 1.000 pessoas foram executadas no massacre e que viu fotos de mortos sendo colocados em valas comuns e de outros sendo queimados por representantes do Exército da Nigéria.

    O secretário-geral do Hezbollah libanês, Seyyed Hassan Nasrallah, criticou o silêncio dos organismos internacionais e conclamou os líderes religiosos e autoridades nigerianas a tomarem medidas para levarem os autores do massacre à Justiça e para libertarem o líder do movimento.

    O governador do estado de Kaduma, onde fica Zaira, instalou uma Comissão de Inquérito Judicial para apurar os fatos. Um porta-voz presidencial nigeriano afirmou que o caso era um “assunto militar”.

    O Movimento Islâmico da Nigéria foi fundado em 1980 e conta com três milhões de integrantes. Segundo a HRW, o grupo não tem qualquer ligação com a facção terrorista Boko Haram, que opera na mesma região, mas que inclusive ataca xiitas.

    Mais:

    Milícias xiitas e forças iraquianas tentam retomar Ramadi das mãos do Estado Islâmico
    Opinião: Oriente Médio ficará polarizado entre sunitas e xiitas
    Irã entrega ajuda humanitária aos rebeldes xiitas do Iêmen
    Tags:
    muçulmanos, xiitas, silêncio, investigação, apuração, emboscada, barricada, massacre, mortes, Boko Haram, Hezbollah, Exército, Human Rights Watch, Movimento Islâmico da Nigéria, Nigéria, Zaira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar