15:58 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    820
    Nos siga no

    O grupo norte-americano Mapping Police Violence (Mapeando a Violência Policial) divulgou uma estatística que mostra que a polícia dos EUA matou pelo menos 1.152 pessoas desde o início do ano até a terça-feira (15) somente nos 60 maiores departamentos policiais do país. O número é semelhante aos 1.172, de 2014, e aos 1.140, de 2013.

    Formado pelo cientista social Samuel Sinyangwe e pelos ativistas Johnetta Elzie e DeRay Mckesson, o Mapping Police Violence destaca que 41% das pessoas mortas pela polícia norte-americana são negras, mas que estão em regiões onde os afroamericanos representam apenas 20% da população.

    Os pesquisadores concluíram que, em 41 departamentos, o número de negros mortos pela polícia norte-americana é desproporcional em relação aos brancos. Os dados também revelaram em que 14 departamentos os agentes dos EUA mataram somente negros, enquanto em cinco unidades, os mortos foram exclusivamente brancos.

    A estatística, segundo o grupo, não leva em consideração dados oficiais, uma vez que os departamentos não fornecem o número de mortes com envolvimento de policiais. Para chegar a este total, os pesquisadores contaram com três bancos de dados alimentados pela população, redes sociais, obituários e imprensa, entre outras fontes.

    Mais:

    Vídeos combatem violência e racismo policial nos EUA
    Protestos contra violência policial continuam nos EUA
    Violência policial contra jovem negra gera nova onda de protestos nos EUA
    Polícia detém jornalistas durante protestos em Ferguson
    Ferguson, nos EUA, vive estado de emergência
    Pai de jovem negro baleado em Ferguson diz que o rapaz estava desarmado
    Família de jovem negro morto pela policia nos EUA vai processar Ferguson
    Jornalistas processam polícia por obstrução da cobertura dos protestos em Ferguson
    Tags:
    departamentos, brancos, negros, polícia, estatística, assassinatos, policiais, morte, Mapping Police Violence, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar