12:31 05 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, e presidenta do Brasil, Dilma Rousseff

    ‘DR’ no Mercosul: Brasil e Argentina discutem relação sobre direitos humanos na Venezuela

    © AFP 2019 / Evaristo Sa
    Mundo
    URL curta
    923
    Nos siga no

    Brasil e Argentina enfrentam hoje, na reunião de chefes de Estado do Mercosul, um tema que ameaça romper a “homogeneidade ideológica” do bloco: participando pela primeira vez da cúpula, o recém-empossado presidente da Argentina, Mauricio Macri, promete desafiar a postura moderada do Brasil no que diz respeito aos direitos humanos na Venezuela.

    Na reunião de ministros das Relações Exteriores do Mercosul realizada no domingo (20), a Argentina de Macri já deixou claras, neste aspecto, as suas diferenças com o Brasil de Dilma Rousseff e, particularmente, com a Venezuela de Nicolás Maduro, segundo relata o El País. 

    Tanto a Argentina quanto o Paraguai declararam que “todos os países” do bloco deveriam aderir ao Protocolo de Assunção de proteção aos direitos humanos. Trata-se de um acordo assinado pelo Mercosul há dez anos, quando a Venezuela ainda não fazia parte do grupo, de modo que a mensagem dos Governos de Macri e Horacio Cartes foi obviamente destinada a Maduro, porque os outros membros do bloco já aderiram ao documento. 

    No entanto, a proposta de Buenos Aires e Assunção enfrenta a resistência do Brasil. O país, que tradicionalmente adota em sua política externa o papel de mediador, prezando pela neutralidade e pelo princípio de não-intervenção, não concorda com a postura da Argentina e do Paraguai a respeito da Venezuela. 

    "É preciso respeitar a soberania dos países", disse o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, quando consultado pelo El Pais. "Não se pode fazer do Mercosul uma instância de interferência", acrescentou. 

    Além disso, Vieira observou que, embora a Venezuela tenha se unido ao bloco em 2012, "está ainda em processo de adesão e não aderiu a todos os textos". De fato, Caracas tem até 2022 para terminar de incorporar todas as normas do Mercosul.

    Segundo informou o ministro paraguaio das Relações Exteriores, Eladio Loizaga, o presidente venezuelano não poderá participar da cúpula de hoje. Sem a presença de Maduro, o tema dos direitos humanos na Venezuela poderá ficar mais concentrado no debate entre as delegações do Brasil e da Argentina.

    Macri havia prometido em sua campanha eleitoral à Presidência da Argentina que iria pedir a suspensão da Venezuela como membro do Mercosul devido a uma suposta violação, por parte do governo venezuelano, da cláusula democrática do bloco. No entanto, depois da vitória da oposição liberal conservadora nas recentes eleições legislativas da Venezuela, o chefe de Estado argentino parece ter mudado de ideia, apesar de continuar pressionando Caracas em relação aos “presos políticos”, segundo nota o El País.

    De qualquer forma, a expectativa geral dos países-membros é de fortalecer os laços e avançar novos acordos, especialmente na esfera econômica, com outros blocos regionais. Como diz o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, Armando Monteiro, “o casamento com o Mercosul é indissolúvel, mas é sempre importante discutir a relação”…

    Mais:

    Rússia espera que UEE e Mercosul assinem acordo de cooperação em 2016
    Encontro de Dilma e Macri em Brasília prenuncia atrito na Cúpula do Mercosul
    Dilma está certa ao se posicionar contra Macri e defender a Venezuela no Mercosul
    Tags:
    Protocolo de Assunção, cooperação, integração, bloco, DR, discutir a relação, direitos humanos, Horacio Cartes, Nicolas Maduro, Dilma Rousseff, Mauricio Macri, Venezuela, Bolívia, Paraguai, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar