14:59 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    106
    Nos siga no

    O ministro da Defesa da França, Jean-Yves Le Drian, afirmou nesta segunda-feira (21) que pediria ao ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, para intensificar as atividades russas contra o Daesh (grupo terrorista também conhecido como Estado islâmico). Ele é esperado em Moscou para discutir a cooperação antiterrorista com a liderança russa.

    “Teremos uma troca [de opiniões] sobre o que consideramos ser os grupos terroristas e como a Rússia poderia reforçar as suas atividades contra o nosso único inimigo: o Daesh”, disse Le Drian ao jornal francês Ouest-France.

    Le Drian e Shoigu também devem discutir o intercâmbio de informações sobre os combatentes franceses e russos contra o Daesh. Rússia e França querem intensificar a cooperação na luta contra o grupo terrorista depois que este assumiu a responsabilidade pelos ataques terroristas em 13 de novembro, em Paris, bem como sobre a queda do avião russo A321 sobre o Egito em 31 de outubro.

    Moscou tem realizado ataques aéreos de precisão contra alvos do Daesh na Síria desde 30 de setembro, a pedido do presidente sírio, Bashar Assad. Paris bombardeia posições do grupo terrorista na Síria e no Iraque como parte da coalizão liderada pelos EUA.

    Mais:

    Thierry Mariani: França se aproximou da posição russa sobre a Síria
    Le Point: Putin é o melhor amigo da França desde os atentados de Paris
    Resolução sobre a Síria mostra que 'Putin tinha razão'
    Como Bashar Assad, 'ditador' e 'assassino' no Ocidente, tem tanta popularidade na Síria?
    Conselho de Segurança aprova resolução sobre processo de paz na Síria
    New York Post: EUA se rendem a Vladimir Putin na questão síria
    Tags:
    coalizão internacional, atentados, terroristas, operação, ataques, bombardeios, intensificar, cooperação, Estado Islâmico, Daesh, Bashar Assad, Jean-Yves Le Drian, Sergei Shoigu, Egito, EUA, França, Rússia, Paris, Moscou, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar