23:34 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Uma família muçulmana na Suécia

    Tolerância à sueca obriga a chamar terroristas de ‘aqueles que querem salvar sua vida’

    © flickr.com/ Mariano Mantel
    Mundo
    URL curta
    1027

    A emissora sueca SVT elaborou novas regras linguísticas para que os seus jornalistas expressem de modo politicamente mais correto.

    Porco
    © Sputnik / Aleksei Danichev
    Por exemplo, migrantes que receberam passaportes suecos devem ser chamados de “suecos”. Os que chamam-nos de maneira diferente, sendo acusados de racismo, não têm o direito de expressar o seu protesto, informa o jornal sueco Fria Tider.

    A instrução para os jornalistas diz: “Se alguém afirma que está discriminado isso significa que é a sua sensação pessoal e temos de tomar isso em consideração”.

    O que é mais interessante é que as declarações de migrantes que os suecos são racistas não devem gerar dúvidas. E o acusado não tem o direito de se defender.

    O documento também afirma que não convém generalizar pessoas com a base da sua origem, terra natal ou religião porque a palavra “migrante” é muito imprecisa e errada. Ao invés de “migrante”, aconselha usar “pessoa nascida no estrangeiro” tendo em conta que mesmo um sueco pode nascer no estrangeiro.

    A palavra “refugiado” pode ser usada mas a instrução recomenda substituí-la com a expressão “pessoa que quer salvar a sua vida”.

    Quando se trata de terroristas, os autores do documento acham que é melhor falar em “suecos que tiveram laços com islamistas armados”. Além disso, é proibido dizer “pessoas de pele escura” ou “negro”, enquanto “pessoas de pele clara” ou “branco” não parece aos diretores desta grande emissora sueca como ofensiva.

    Tags:
    terrorismo, refugiados, migrantes, racismo, emissora, mídia, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik