23:59 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 140
    Nos siga no

    A Rússia alertou nesta quinta-feira (17) que as torturas e os desaparecimentos forçados continuam acontecendo na Ucrânia.

    "Continuam os casos de desaparecimentos forçados, as detenções arbitrárias, as torturas e os maus-tratos de pessoas acusadas de terrorismo ou ameaças à integridade territorial", denunciou Konstantin Dolgov, comissário do Ministério das Relações Exteriores russo para os direitos humanos, em uma reunião do comitê de apoio aos habitantes do sudeste da Ucrânia no Senado russo.

    O funcuinário observou que o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos tem informações sobre "as torturas brutais e os maus-tratos de prisioneiros por parte da polícia".

    "No entanto, estes casos permanecem impunes e não há investigação adequada contra os responsáveis pelos crimes e assassinatos de Maidan e Odessa", disse ele.

    A Rússia, prometeu Dolgov, denunciará estas violações dos direitos humanos na ONU, na OSCE e no Conselho da Europa.

    O diplomata exortou o governo ucraniano a corrigir a situação, que ele descreveu como "catastrófica", e a cumprir as regras do direito internacional humanitário.

    Em abril de 2014, após os eventos da Praça Maidan em Kiev, a Ucrânia lançou uma operação militar contra as autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, no leste do país. Os combates deixaram mais de 9.000 mortos e 20.700 feridos, de acordo com estimativas da ONU, mas os números reais, segundo Dolgov, podem ser maiores.

    Mais:

    Rússia: ONU subestima número de vitimas civis na Ucrânia
    Ex-presidente deposto da Ucrânia revela planos de voltar à política
    Conselho de segurança da ONU realizará reunião dedicada à situação humanitária na Ucrânia
    Tags:
    crise humanitária, direitos humanos, tortura, desaparecimentos forçados, desaparecimento, Maidan, OSCE, ONU, Konstantin Dolgov, Odessa, Donetsk, Lugansk, Kiev, Leste da Ucrânia, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar