03:17 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    125
    Nos siga no

    A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta segunda-feira (14) que o governo vai trabalhar para diminuir o fluxo de refugiados. O anúncio foi feito durante o congresso anual do partido de Merkel, o União Democrata Cristã (CDU).

    A chanceler e a política de abertura aos refugiados defendida por ela vinham sofrendo duras críticas da ala mais conservadora do partido.

    Com uma abordagem centrada nos níveis alemão, europeu e global, Merkel prometeu uma “notável redução” no fluxo, num momento em que a estimativa é de que o ano termine com mais de 1 milhão de pedidos de asilo. Até o final de novembro, 964.574 refugiados entraram no País. 

    “É do interesse da Alemanha, de olho no desafio de garantir acomodação e a integração dos refugiados à sociedade e ao mercado de trabalho. É do interesse da Europa, devido à situação interna e do papel do bloco. E é do interesse dos próprios refugiados, porque ninguém deixa seus lares sem pensar, não importa o motivo”, disse em discurso a líder alemã.

    Porém Merkel não falou em impor limites. Ela ressaltou que o país vai continuar a cumprir sua responsabilidade humanitária e que, como maior potência econômica do Continente Europeu, a Alemanha tem o dever “moral e político” de acolher os mais vulneráveis, sobretudo os refugiados sírios.

    Diante dos números recordes e das pressões para conter o fluxo, o governo alemão tem como desafio imediato acelerar os procedimentos burocráticos. No final de novembro, dos 425 mil pedidos de asilo, mais de 355 mil ainda não haviam sido processados, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Trump acusa Merkel de arruinar a Alemanha
    Político alemão: Merkel perdeu controle sobre o parlamento
    Mídia: ex-‘amigos’ tentam tirar poder a Merkel
    Jornalista chama Merkel de 'boneca americana' e a acusa de totalitarismo
    Tags:
    refugiados, Partido Democrata Cristão, Angela Merkel, Europa, Síria, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar