03:55 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    14141
    Nos siga no

    A chanceler alemã Angela Merkel recusou-se recentemente a expandir o contingente militar alemão na coalizão contra o Daesh liderada pelos EUA, negando um pedido feito pelo secretário de Defesa norte-americano, Ashton Carter.

    A chanceler alemã Angela Merkel em Berlim.
    © AP Photo / Markus Schreiber
    De acordo com Merkel, Berlim está tomando todas as medidas necessárias na luta contra os terroristas do Daesh (autodenominado Estado Islâmico). O Bundestag (parlamento) alemão aprovou recentemente o envio de forças da Bundeswehr (Forças Armadas) à Síria como parte dos esforços internacionais de contraterrorismo.

    O especialista russo Aleksandr Galkin, no entanto, vê a decisão de Merkel de se opor à proposta dos Estados Unidos como uma tentativa de reforçar a sua própria imagem na Alemanha. De acordo com Galkin, Merkel está perdendo força política rapidamente em seu próprio país e, portanto, decidiu exibir sua independência em relação a Washington.

    "Merkel […] está tentando se distanciar de percepções negativas suas na Alemanha, para demonstrar que ela não é um fantoche nas mãos dos Estados Unidos" disse o analista em entrevista exclusiva à Radio Sputnik.

    "O fato é que sua carreira política entrou numa fase de declínio. Se ela tivesse renunciado um ano atrás, teria permanecido na história da Alemanha não só como a primeira mulher chanceler, mas como uma excelente chanceler, a quem, em certa medida, poder-se-ia comparar com Bismarck. Agora ela está perdendo esta imagem", afirmou o especialista.

    De acordo com Galkin, é improvável que Merkel renuncie em um futuro próximo, mas há dúvidas sobre seu futuro político. Como relatado anteriormente pelo think tank norte-americano Stratfor, o mito de Angela Merkel como uma "líder infalível" já foi destruído. A população alemã começou a duvidar do poder de Merkel e sentiu que a chanceler começou a perder o controle sobre a situação política.

    Galkin argumenta que Merkel seria capaz de provar a sua independência dos EUA se quisesse fazê-lo. Os EUA ficariam descontentes com a atitude, mas não seriam capazes de exercer pressão sobre a chanceler.

    "Claro, Merkel não iria seriamente romper com os Estados Unidos, enquanto estiver conduzindo essa campanha de relações públicas", disse o especialista, concluindo que Washington "terá que engolir essa", mas ao mesmo tempo reterá bem na memória a "ousadia" de Berlim.

    Mais:

    Angela Merkel: Derrubada de caça russo agrava situação na Síria
    Político alemão: Merkel perdeu controle sobre o parlamento
    Mídia: ex-‘amigos’ tentam tirar poder a Merkel
    Jornalista chama Merkel de 'boneca americana' e a acusa de totalitarismo
    Tags:
    fantoche, crise política, contraterrorismo, imagem, chanceler, coalizão, popularidade, ISIL, ISIS, Daesh, Estado Islâmico, Alexander Galkin, Ashton Carter, Angela Merkel, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar