21:56 13 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri

    O que muda e o que não muda na Argentina de Mauricio Macri em relação ao kirchnerismo

    © REUTERS / Enrique Marcarian
    Mundo
    URL curta
    1262
    Nos siga no

    Ao tomar posse da Presidência da Argentina na quinta-feira, 10, Mauricio Macri conversou com vários chefes de Estado e Governo que compareceram às cerimônias no Congresso e na Casa Rosada, entre os quais o secretário do Conselho de Segurança Nacional da Rússia, Nikolay Patrushev. O que se espera do Governo Macri?

    O novo presidente foi cumprimentado também por alguns líderes da América do Sul, entre eles, os presidentes Dilma Rousseff, Evo Morales (Bolívia), Juan Manuel Santos (Colômbia), Ollanta Humala (Peru) e Horacio Cartes (Paraguai). Outro latino-americano que marcou presença foi o mexicano Jorge Familiar, vice-presidente do Banco Mundial para América Latina e Caribe.

    Os Estados Unidos enviaram o secretário de Transportes, Anthony Foxx, e a diplomata Roberta Jacobson, responsável pela Divisão para a América Latina do Departamento de Estado norte-americano.

    Pela Europa, além de Nikolay Patrushev, da Rússia, compareceram, entre outras personalidades, o rei emérito da Espanha, Juan Carlos, o ex-presidente da Alemanha, Christian Wulff, e o vice-presidente da Comissão Europeia, o letão Valdis Dombrovskis.

    O representante da China foi o vice-presidente do Comitê Permanente da Assembleia Popular, Ji Bingxuan.

    Sobre o que representa a investidura de Mauricio Macri na Presidência da Argentina, Sputnik Brasil conversou com a professora de Relações Internacionais Miriam Saraiva, da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Especialista em políticas latino-americanas, com ênfase em Brasil e Argentina, Miriam Saraiva acredita que Mauricio Macri promoverá mudanças significativas da política e na economia do país sem manifestar um caráter revanchista.

    Ainda de acordo com a professora, uma visão mais apurada do que serão essas mudanças poderá ser obtida após a primeira reunião internacional do novo líder da Argentina, a Cúpula do Mercosul, marcada para segunda-feira, 21, em Assunção. Além disso, nos próximos meses poderemos verificar se Macri vai pôr em prática as suas promessas de campanha, entre as quais a negociação com os “fundos abutres” e o FMI – Fundo Monetário Internacional.

    Sobre o que vai mudar na Argentina de Maurício Macri em relação à Argentina de Néstor e Cristina Kirchner, a Professora Miriam Saraiva observa:

    “Muda muito, e acho que a mudança vem tanto na dimensão econômica quanto na política. A dimensão econômica é mais conhecida aqui no Brasil, porque o Governo dos Kirchner vem tendo problemas com as exportações brasileiras há muito tempo. Houve um certo desinvestimento de capitais brasileiros que haviam sido investidos na Argentina e que voltaram ao Brasil. Exemplos fortes são os da Petrobras e da Vale do Rio Doce. Macri tem um perfil liberal, é empresário de origem, sugere e pensa em, daqui para a frente, interromper, de certa forma, a política mais protecionista e a espécie de capitalismo ‘autóctone’ que o Governo argentino vinha implementando.”

    Miriam Saraiva diz que essa primeira questão é muito importante:

     “Macri vai mexer em temas que hoje afligem muito os argentinos, como a inflação, um câmbio muito irregular, que provoca saída de capitais do país por vias não tradicionais. Vai tentar conter o déficit público e, mais lentamente, ir reformulando a questão do protecionismo do comércio exterior.”

    Já no campo político, diz a especialista em políticas latino-americanas, “o que muda é que o Governo de Cristina tinha uma dimensão populista muito forte e uma relação muito forte com alguns setores populares e com organizações sociais não governamentais de caráter social. O Governo Macri não tem esses vínculos, é um Governo muito mais desconectado da sociedade e que provavelmente vai deixar de fora essa dimensão de um diálogo direto que havia entre a Presidência e os setores populares do país.”

    A Professora Miriam destaca no discurso de posse de Mauricio Macri o trecho em que ele pede que os argentinos apoiem o seu Governo. “Parece redundante, mas, na verdade, o Governo de Cristina Kirchner tinha uma postura de criar antagonismos, talvez até própria do populismo latino-americano, com aqueles que não pensam igual. Macri enfatiza sua abertura ao diálogo para quebrar um pouco essa imagem de haver um Governo e seus antagonistas, com os quais ele não negocia, ele não conversa.”

    Mais:

    Macri toma posse sem Kirchner e apela por unidade da Argentina
    Casa Rosada explica por que Cristina Kirchner não passa a faixa presidencial a Macri
    Tags:
    banco mundial, diálogo, inflação, déficit, eleições na Argentina, Nikolay Patrushev, Ji Bingxuan, Miriam Saraiva, Mauricio Macri, Horacio Cartes, Cristina Kirchner, Juan Manuel Santos, Ollanta Humala, Evo Morales, Dilma Rousseff, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar