00:49 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    541735
    Nos siga no

    As propostas dos representantes do Partido Republicano dos EUA, John McCain e Lindsey Graham, sobre as ações de Washington na Síria não correspondem à situação real e podem levar à confrontação militar com a Rússia, opina um artigo publicado na revista The American Conservative.

    As ideias dos republicanos sobre a eliminação da organização terrorista Daesh, também conhecida como “Estado Islâmico”, visam confrontação com as forças que apoiam o regime do presidente sírio, Bashar Assad, e “não têm nada em comum” com a luta contra terroristas, destacam os autores do artigo.

    Segundo a edição, a “estratégia  coerente” da destruição do Daesh dos representantes do Partido Republicano implica que os EUA sejam envolvidas na máxima quantidade possível de guerras contra vários adversários.

    Para proteger os aliados que têm a reputação de “inúteis”, John McCain e Lindsey Graham propõem iniciar uma guerra aberta contra a Rússia – assim os aurores consideram o apelo dos políticos que chamam a impor à Rússia “gastos reais”.

    “Sabemos que se trata da eliminação do pessoal russo e das aeronaves russas”, explica a The American Conservative.

    Além disso, a edição critica a proposta dos republicanos realizar uma operação no solo sírio. Os autores frisam que isto levará à morte dos soldados e o Daesh terá novos recrutos.

    “Se queremos que os EUA sejam capturados por outra guerra terrestre prolongada na região, devemos ouvir McCain e Graham”, conclui The American Conservative.

    Mais:

    Operação dos EUA na Síria mata dezenas de civis
    Rússia adverte EUA para tentativas de 'jogar sujo' com diferenças religiosas na Síria
    EUA devem ‘considerar aliança com Rússia’ se querem combater Daesh
    Tags:
    Partido Republicano, John McCain, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar