07:25 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    2261
    Nos siga no

    O deputado francês, Thierry Mariani, apresentou à Assembléia Nacional do país um projeto de resolução para suspender as sanções contra a Rússia.

    "Propõe-se ao Governo da França que reconheça o cancelamento das restrições econômicas impostas pela União Europeia e comece a rever a política de sanções contra a Rússia", diz o texto elaborado pelo legislador.

    As medidas restritivas adotadas pela União Europeia contra Moscou "prejudicam os interesses econômicos da França", argumentou Mariani.

    "Eu quero ver como França levanta sanções contra a Rússia", disse ele.

    Ex-ministro dos transportes e agora deputado dos franceses no exterior, Thierry Mariani, co-preside o diálogo franco-russo.

    Em julho passado, Mariani viajou para a Crimeia junto com uma delegação de parlamentares franceses.

    As relações entre a Rússia e a União Europeia ficaram mais tensas em 2014, quando Bruxelas se uniu a Washington para acusar Moscou de interferir na crise ucraniana – alegação sempre negada pelo Kremlin. Desde então, e especialmente desde a reintegração da Crimeia ao território russo – processo decidido em referendo popular, de acordo com o princípio de autodeterminação dos povos – o Ocidente impõe sanções econômicas antirrussas como medida punitiva.

    Em resposta, a Rússia anunciou em agosto de 2014 um embargo de um ano à importação de produtos alimentícios originários de países europeus que haviam imposto sanções contra Moscou. A proibição também foi estendida por mais um ano.


    Mais:

    Itália tenta evitar renovação automática das sanções antirrussas da UE
    Turquia pode introduzir sanções contra a Rússia, ameaça premiê
    Senador russo diz que país pode adotar mais sanções à Turquia
    Primeiro-ministro russo assina decreto para implementar sanções à Turquia
    Sanções russas representam duro golpe para economia turca
    Tags:
    Rússia, França, Ocidente, União Europeia, sanções, projeto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar