16:34 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Caça F-16 da Força Aérea da Turquia decolando da base de Incirlik, operada em parceria com a Força Aérea dos EUA e localizada na província de Adana

    Opinião: Erdogan sente-se bem com Daesh e quer combater curdos em vez de terroristas

    © REUTERS/ Murad Sezer
    Mundo
    URL curta
    1163019

    A vingança pessoal do presidente turco Erdogan contra os curdos pode ser mais importante para ele de que uma guerra contra o Daesh, diz cientista político alemão Tomas Spahn.

    Segundo o especialista, o presidente turco está mais preocupado com a antiga disputa do seu país com a minoria curda e com a luta com os grupos curdos nos países vizinhos do que com a terrível ameaça que representa o grupo terrorista Daesh (também conhecido como Estado Islâmico). 

    “Enquanto os EUA e a Europa visam destruir a ameaça criada pelo Daesh, Erdogan mantém a sua própria guerra privada contra os curdos”, escreveu Spahn para o portal de notícias Tichys Einblick. 

    Tanto os curdos sírios quanto os iraquianos estão neste momento envolvidos em batalhas severas com o Daesh, mas as autoridades turcas acreditam que o Partido de União Democrática (PYD) é afiliado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado oficialmente como uma organização terrorista na Turquia. 

    Apesar do fato que a Turquia aderiu à coalizão internacional contra o Daesh liderada pelos EUA, o exército turca realiza sobretudo ataques aéreos contra curdos, enfraquecendo assim a força terrestre que desde muito tempo resiste às ofensivas dos terroristas. Em outubro neste ano a Turquia alvejou as posições curdas quando a milícia YPG (sigla em curdo para Unidades de Proteção Popular), afiliada do PYD, atravessou o rio Eufrates para lutar contra o Daesh, diz a agência Reuters.

    Tags:
    curdos, terrorismo, Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Partido da União Democrática (PYD), Daesh, YPG, Recep Tayyip Erdogan, Curdistão sírio, Curdistão iraquiano, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik