00:50 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Ahmet Davutoglu, primeiro-ministro da Turquia

    Turquia pode introduzir sanções contra a Rússia, ameaça premiê

    © REUTERS/ Umit Bektas
    Mundo
    URL curta
    Turquia abate bombardeiro russo na Síria (115)
    212486121

    O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, disse nesta terça-feira (8) que Ancara poderia introduzir sanções retaliatórias contra a Rússia se o governo turco considerar necessário.

    "Se acharmos necessário, vamos introduzir sanções retaliatórias. Esta questão foi discutida em uma reunião do governo na segunda-feira. Mas esperamos que a crise com a Rússia será superada e que não haverá necessidade de recorrer a estas medidas", disse Davutoglu em uma reunião de seu partido.

    As relações russo-turcas têm estado tensas desde 24 de novembro, quando Ancara decidiu abater um bombardeiro russo que participava da campanha aérea contra o grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico) na Síria. A Turquia afirma que o avião russo havia violado seu espaço aéreo; Rússia e Síria negam, assim como um dos dois pilotos que conseguiu sobreviver à queda.

    O presidente russo, Vladimir Putin, descreveu a derrubada do caça como uma “punhalada nas costas” e decretou uma série de restrições econômicas contra a Turquia em 28 de novembro.

    A decisão foi aprovada pelo governo russo e entrou em vigor em dezembro. Moscou proibiu a importação de vários alimentos e produtos agrícolas turcos, suspendeu voos fretados para o país e aconselhou agências de viagens russas a não vender pacotes turísticos para a Turquia devido a preocupações relativas à segurança.

    Tema:
    Turquia abate bombardeiro russo na Síria (115)

    Mais:

    Turquia planeja instalar defesa antiaérea na fronteira com a Síria
    OTAN ajudará Turquia a reforçar o seu sistema de defesa aérea
    Turquia pode perder $9 bilhões em quebra de relações com a Rússia
    Tags:
    economia, turismo, relações, sanções, ataque, caça, avião, Su-24, Vladimir Putin, Ahmet Davutoglu, Síria, Rússia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik