19:53 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Ministra ucraniana das Finanças Natalie Jaresko durante uma sessão do governo

    Ucrânia continua tentando evitar pagamento da dívida à Rússia

    © Sputnik/ Mikhail Polinchak
    Mundo
    URL curta
    102413220

    A ministra das Finanças da Ucrânia, Natalia Jaresko, disse que o seu país pode se recusar a pagar os 3 bilhões de dólares que deve à Rússia - pelo menos no prazo previsto até 21 de dezembro.

    A respectiva declaração foi feita durante uma entrevista publicada nesta terça-feira pelo jornal japonês Nikkei.

    "Nós estamos preparados para qualquer opção", manifestou Jaresko, citada pelo jornal.

    Mais cedo, o primeiro-ministro ucraniano, Arseny Yatsenyuk, tinha feito uma declaração semelhante, sublinhando que o país poderia se recusar a pagar a dívida completamente.

    A Rússia diz estar pronta para aceitar a reestruturação da dívida ucraniana, caso tal pedido chegue a ser apresentado por Kiev. Deste modo, no que resta de 2015, as autoridades da Ucrânia só iriam pagar os juros, protelando o prazo do pagamento do montante total até 2018, com parcelas equivalentes a 1 bilhão pagas a cada ano.

    A ministra Jaresko declara que isso "viola as normas de prestação de ajuda por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI)".

    Por sua parte, a assessora do ministro das Finanças russo, Svetlana Nikitina, disse que é o devedor quem deve solicitar a reestruturação.

    Mais:

    Lavrov: Ocidente começa a entender as causas da crise ucraniana
    ‘Dádiva de ruim a seu dono se parece’: EUA fornecem equipamento militar obsoleto à Ucrânia
    Sem carvão, ucranianos temem falta de energia no inverno
    Ucrânia estabiliza rede energética, mas mantém Crimeia no escuro
    Rússia envia 300 geradores de luz à Crimeia após bloqueio ucraniano
    Ucrânia não quer pagar dívida de US$3 bilhões à Rússia
    Rússia se recusa a anular dívida da Ucrânia
    Tags:
    dívida, Ministério das Finanças, Natalie Jaresko, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik