22:55 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Marine Le Pen após anúncio dos resultados das eleições

    Primeiro turno de eleições regionais francesas dá esperança à extrema-direita

    © AFP 2017/ DENISE CHARLET
    Mundo
    URL curta
    281194184

    Com quase 28% dos votos a seu favor, a Frente Nacional de Marine le Pen ultrapassa o bloco Os Republicanos, Modem (Movimento Democrático) e UDI (sigla de União de Democratas e Independentes) e a aliança socialista.

    Com cerca de 98% dos boletins escrutinados, a Frente Nacional obteve 27,96% dos votos, seguida pelos Republicanos (26,89%). Já os socialistas conseguiram 23,33% dos votos.

    No domingo, a França celebrou o primeiro turno das eleições regionais.

    A Frente Nacional, presidida por Marine le Pen, é um partido de direita que vem ganhando força no país durante o ano em curso.

    Em seu discurso após o anúncio do resultado do primeiro turno das eleições, ela frisou que o seu partido é o "único a defender a soberania da nação" e "recuperar as regiões esquecidas do interior [do país]", restabelecendo desta maneira uma "República verdadeiramente francesa"

    Marine le Pen está realizando uma gestão mais "moderada" do seu partido comparando com o fundador da Frente Nacional, Jean-Marie le Pen (ela até o excluiu do partido).

    Segundo a Reuters, a Frente Nacional lidera em seis regiões que vão de norte a sul, passando pelo centro do país: Nord-Pas-de-Calais-Picardie, Provença-Alpes-Costa Azul, Languedoc-Roussillon-Midi-Pyrinées, Alsace-Champagne-Ardenne-Lorraine, Centro-Val-de-Loire e Bourgogne-Franche-Comté.

    Está previsto um segundo turno, que terá lugar no próximo domingo, 13 de dezembro.

    Mais:

    Mauricio Macri vence eleições na Argentina, mas precisará negociar para governar
    Wadih Damous: ‘Há algo direcionado a impedir que Lula dispute as próximas eleições’
    Bashar Assad está disposto a participar das eleições
    Tags:
    eleições, Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen, Marine Le Pen, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik