02:51 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Afghan Taliban fighters. File photo

    Surgem notícias sobre morte do líder talibã no Afeganistão

    © AFP 2019 / Noorullah Shirzada
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    572
    Nos siga no

    O novo líder do movimento terrorista Talibã no Afeganistão, Mullah Akhtar Mansour, supostamente morreu de feridas obtidas durante tiroteio nesta quarta-feira (2), diz a agência chinesa Xinhua, alegando autoridades locais.

    Anteriormente informava-se que o líder talibã, cujas ambições de liderança são disputadas pela fração rival, foi gravemente ferido, mas sobreviveu.

    “Mansour foi gravemente ferido nesta quinta-feira (2) em um tiroteio com outros senhores da guerra do grupo [Talibã]”, diz a agência citando palavras de representantes das autoridades afegãs. 

    Anteriormente as fontes dentro do grupo radical confirmaram a informação sobre o ferimento de Mullah Akhtar Mansour sublinhando que o tiroteio aconteceu na cidade paquistanesa de Quetta na casa de Abdullah Sarhadi, um outro senhor da guerra talibã e antigo prisioneiro da prisão estadunidense de Guantánamo. 

    Entretanto a agência noticiosa Reuters diz que o destino de Mullah Akhtar Mansour não está claro alegando que o porta-voz principal do Talibã Zabihollah Mojahed negou os rumores sobre a morte de Mansour os chamando de propaganda dos serviços de inteligência afegãos com o intuito de criar divisões dentro do movimento. Acrescentou que Mansour continua vivo e saudável.

    Mansour foi anunciado como o novo chefe do Talibã em 31 de julho deste anos depois de o movimento terrorista confirmar a morte de Mullah Mohammad Omar que liderou o Taliban por cerca de duas décadas. Informa-se que alguns líderes do movimento recusaram-se a reconhecer Mansour com o novo chefe do Talibã.

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    Tags:
    terrorismo, tiroteio, Talibã, Mullah Omar, Akhtar Mohammad Mansour, Paquistão, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar