03:16 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    113
    Nos siga no

    China e EUA realizaram na terça-feira (1) o primeiro diálogo ministerial entre os países para o combate aos crimes cibernéticos, apontados como uma barreira às conversações entre os dois países.

    Reunidos em Washington, a procuradora Geral norte-americana, Loretta Lynch, e o secretário de Segurança Interna, Jeh Johnson, estiveram com o ministro da Segurança Pública chinês, Guo Shengkun, para implementar uma parceria acertada durante a visita do presidente da China, Xi Jinping, aos EUA, em setembro.

    Funcionários do Departamento de Justiça norte-americano e do Comitê de Assuntos Políticos e Jurídicos chinês participaram do encontro. Eles acertaram programas específicos para reforçarem a segurança cibernética, identificaram casos para a futura cooperação e conversaram sobre alguns eventos, como o roubo de dados do Gabinete de Gestão de Pessoal dos EUA por hackers chineses. A ação foi inicialmente tratada como um ataque patrocinado pelo Estado, mas que seguiu como um crime comum na Internet.

    As duas partes deixaram a reunião exaltando o progresso obtido. Shengkun disse que problemas foram resolvidos, o que ajuda o entendimento e a confiança mútua. Ele destacou que o diálogo é o principal canal para a resolução de questões de segurança cibernética de comunicação e informação.

    Os representantes norte-americanos pediram o aumento do compartilhamento de dados e do esforço conjunto contra estes crimes, especialmente o terrorismo e o roubo de segredos comerciais.

    O especialista na área de inteligência competitiva, Andrei Masalovich, antigo pesquisador da Agência Federal de Comunicações e Informações Governamentais, comentou a situação do diálogo sino-americano sobre o combate aos crimes cibernéticos. Masalovich destaca algumas tendências positivas nesta área. 

    "A primeira é que os norte-americanos tentaram estabelecer as suas regras no ciberespaço mas, nos últimos anos, perceberam que não conseguem. Um sintoma muito significativo é que reconheceram a presença da Rússia e da China e outros países neste espaço. A segunda é que vários países avançaram significativamente na criação de tropas cibernéticas e diferentes tipos de ciberarmas <…>. Não há já o monopólio dos EUA, o que é bom. A terceira é que se iniciaram reuniões bilaterais e multilaterais sobre a cibersegurança", afirmou Masalovich.

    Na opinião do especialista, os EUA também terão encontros sobre cibersegurança  com a Rússia que, por seu turno, os terá com outros países. Assim, serão introduzidas novas regras para agir no espaço cibernético. 

    Masalovich sublinhou que há um problema jurídico ligado ao fato de não haver uma definição clara do que é um ataque cibernético, de não estar decidido como provar a existência de crime cibernético, etc.

    Um novo diálogo ministerial entre os EUA e a China ficou marcado para junho, em Pequim.

    Tags:
    ação conjunta, combate, acordo, reunião, encontro, diálogo, espionagem, crimes cibernéticos, Internet, Guo Shengkun, Jeh Johnson, Loretta Lynch, Xi Jinping, EUA, Washington, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar