14:48 27 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    16126
    Nos siga no

    Uma corte distrital do estado da Flórida, nos Estados Unidos, rejeitou uma ação judicial contra uma loja de armas que se recusou a vender seus produtos para muçulmanos.

    A queixa, apresentada em julho pelo Conselho de Relações Islâmicas Americanas (CAIR) contra o dono do estabelecimento, Andrew Hallinan, foi considerada inconsistente pela juíza Beth Bloom, que disse que o grupo não conseguiu provar danos causados pela política da loja. 

    A CAIR argumentou que o vendedor violou a Lei dos Direitos Civis ao ferir a liberdade dos clientes, discriminando-os com base em sua religião. 

    “Os muçulmanos americanos têm o direito de buscar e comprar armas, ter aulas de segurança armada e atirar sem serem perfilados e discriminados", disse Hassan Shibly, diretor executivo da organização. 

    Após o anúncio da decisão judicial, o proprietário da loja de armas postou vídeos e fotos em seu Facebook defendendo o "direito" dos norte-americanos de estabelecerem "zonas livres de muçulmanos". 

    Mais:

    Norte-americanos apoiam mais rigor na venda de armas
    Barack Obama diz que tiroteios no país matam mais do que o terrorismo
    Tags:
    direitos civis, islã, muçulmanos, armas, Facebook, Hassan Shibly, Andrew Hallinan, Flórida, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar