10:00 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Porto de Djibouti

    China construirá sua 1ª base naval ultramarina perto de base dos EUA no Djibouti

    © AP Photo /
    Mundo
    URL curta
    6292

    Pequim planeja montar um centro naval em Djibuti, na África Oriental, para apoiar os esforços de combate à pirataria e de manutenção da paz, segundo disseram as autoridades chinesas. A futura instalação ficará perto da única base permanente dos EUA na África, supostamente usada para operações com drones.

    Segundo funcionários do alto escalão governamental da China citados pela mídia local, o governo chinês está atualmente em negociações com o governo de Djibouti para concretizar o projeto na estratégica região do Chifre da África. Eles evitaram cuidadosamente qualificar a instalação como uma "base militar" semelhante às mantidas pelos EUA em todo o mundo.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hong Lei, diz que as chamadas "instalações de apoio" fornecerão "apoio logístico" para o reabastecimento, com combustível e provisões, e para o descanso de navios da Marinha chinesa. 

    "A construção dessas instalações ajudará a Marinha e o Exército da China a participar mais ativamente das operações de manutenção da paz da ONU, a realizar missões de escolta nas águas perto da Somália e do Golfo de Áden, e a prestar assistência humanitária", disse o diplomata chinês em seu briefing diário na quarta-feira (25), segundo relata a Reuters.

    O porta-voz do Ministério da Defesa chinês, coronel Wu Qian, também se pronunciou sobre o assunto em uma coletiva de imprensa mensal, repetindo grande parte dos comentários da chancelaria, mas acrescentando um detalhe importante: a "China deseja desempenhar um papel maior na garantia da paz e da estabilidade regionais".

    De fato, Pequim vem se preparando para desempenhar um papel maior no mundo, modernizando seu Exército e sua Marinha e fazendo contribuições significativas para as operações da ONU de manutenção da paz em todo o globo. Atualmente, a China é um dos mais importantes fornecedores de tropas de paz para a África – onde Pequim tem enormes interesses econômicos, tendo investido cerca de US$ 40 bilhões no continente ao longo dos últimos 15 anos. 

    Pequim também enfrenta a pressão pública para proteger seus cidadãos no exterior, especialmente depois de quatro chineses terem sido mortos por grupos terroristas na Síria e no Mali, na semana passada. Também pode ser que a China precise evacuar seus nacionais da região, como fez na Líbia em 2011 e no Iêmen, em março.

    Ao mesmo tempo, a China está se esforçando para construir uma Marinha capaz de operar em águas oceânicas com alcance global. Há alguns anos, o país encomendou seu primeiro porta-aviões, batizado de "Liaoning", que construído originalmente para a Marinha Soviética. Programas navais similares para construir navios de guerra e submarinos nucleares avançados também estão em andamento.

    Ex-colônia da França, Djibouti já abriga a única base militar permanente dos Estados Unidos na África, no Aeroporto Internacional de Djibouti-Ambouli. Conhecida como Camp Lemonnier, ela abriga o Comando Africano do Pentágono (AFRICOM) e é usada para operações com drones da CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA), as quais já mataram cerca de 3.000 pessoas, a maioria civis, de acordo com a revista The Economist.

    Djibouti é um país de localização estratégica, na medida em que controla o acesso entre o Mar Vermelho e o Oceano Índico, e tem sido usado por marinhas internacionais — incluindo a da China — como uma base para combater os piratas da vizinha Somália.

     

    Mais:

    Chipre pode instalar uma base militar russa para evitar ameaça terrorista
    Rússia não planeja abrir base militar em Cuba
    Rússia instala bases militares contemporâneas no Ártico
    Tags:
    Marinha, pirataria, piratas, Camp Lemonnier, base naval, base militar, ONU, AFRICOM, Hong Lei, Wu Qian, Somália, Oceano Índico, Golfo de Áden, Mar Vermelho, África Oriental, Chifre da África, Djibouti, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik