16:16 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Porta-voz da chancelaria russa, Maria Zakharova

    Chancelaria russa realiza coletiva semanal

    © Sputnik/ Anton Denisov
    Mundo
    URL curta
    2713150

    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, comenta o abate do Su-24 russo no céu da Síria pelo caça turco.

    Zakharova disse que o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, realizará negociações com o seu colega sírio, Walid Muallem, sobre o processo político no país.

    O ministro russo também visitará o Chipre em 1-2 de dezembro e encontrará com o presidente e chanceler chipriotas.

    Espera-se que Lavrov participe de reuniões dos ministros das Relações Exteriores em Belgrado em 3-4 de dezembro. 

    A representante oficial da chancelaria russa disse todas as declarações sobre vítimas entre os civis em resultado dos ataques aéreos russos na Síria são insinuações. 

    "O que aconteceu [com o bombardeiro russo Su-24 abatido pelo caça turco F-16] parece uma fantasmagoria política", disse Zakharova citando o chanceler italiano Paolo Gentiloni.

    Zakharova disse que o fato de que o piloto russo foi atingido a partir da terra é uma violação do direito humanitário internacional.

    "A violação do direito humanitário internacional teve lugar quando foram realizados disparos contra o nosso piloto. Em particular, trata-se de uma pessoa que não é capaz de combater, o que é proibido pelo direito humanitário internacional", disse a diplomata.

    Zakharova afirmou que os que esperavam que a operação russa na Síria fosse obstacularizada erraram porque a Rússia continuará lutar contra o terrorismo.

    "Este combate será continuado em todos os aspectos", afirmou Zakharova.

    A representante oficial russa chamou de "bárbaros" os comentários do Departamento de Estado norte-americano que indicam que o homicídio do piloto russo é ligado com o direito à autodefesa.

    A diplomata russa disse que o Departamento de Estado norte-americano confirmou que usa informações que encontra em redes sociais:

    "Se tudo está nas redes sociais queria prestar atenção do Departamento de Estado dos EUA bem como dos nosso colegas turcos ao fato de que agora há muitas informações sobre o envolvimento da família do Presidente Erdogan em negócios de petróleo com os terroristas. Por que não citam isso? Porque não levantam estas questões?"

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik