12:35 13 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Aviação russa combate terrorismo na Síria (111)
    7361
    Nos siga no

    Aviões das Forças Aeroespaciais da Rússia destruíram nos últimos dois dias na Síria um reservatório de petróleo, uma refinaria e um comboio de caminhões-cisterna na posse dos terroristas do Estado Islâmico, disse nesta segunda-feira (23) o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, general-major Igor Konashenkov.

    “Os bombardeiros russos da base aérea de Hmeymim executavam missões de combate de destruição de comboios de caminhões-cisterna e refinarias na área de campos petrolíferos no norte e leste da Síria. A 15 quilómetros para sudoeste da cidade de Raqqa foi destruído um grande depósito de petróleo”. 

    Um Tu-122 da Força Aeroespacial da Rússia no céu da Síria
    © Sputnik / Screenshot: Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    Além disso, a 50 quilómetros para sul da povoação de Raqqa, bombardeiros Su-34 destruíram uma refinaria controlada por terroristas. Segundo as palavras do representante do Ministério da Defesa, estes alvos nas áreas de Palmira, Deir ez-Zor e Raqqa eram controlados por terroristas e eram uma das fontes principais de financiamento dos militantes.

    “No deserto de al-Mahimira, a 50 quilómetros para norte da povoação de Deir ez-Zor, bombardeiros Su-34 efetuaram um golpe contra cisternas com combustíveis. O alvo, na sequência de golpe direto foi completamente destruído”, acrescentou Konashenkov.

    A Rússia enviou a sua Força Aeroespacial (antiga Força Aérea) à Síria em 30 de setembro, quando o Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo) aprovou esta medida, respondendo ao pedido correspondente de Damasco, que quis ajuda russa no combate ao grupo terrorista Estado Islâmico, proibido na Rússia e em outros países.

    Tema:
    Aviação russa combate terrorismo na Síria (111)
    Tags:
    aviação, Su-34, Força Aeroespacial da Rússia, Estado Islâmico, Igor Konashenkov, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar