08:47 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    14112
    Nos siga no

    Homens armados alegadamente tomaram como reféns 170 pessoas no hotel Radisson em Bamako, Mali, segundo o porta-voz do hotel. De acordo com a mídia, pelo menos 87 reféns foram libertados pelas forças especiais do Mali.

    Homens armados não identificados abriram fogo no hotel Radisson Blu na capital do Mali. 

    As mensagens mais recentes na mídia dizem que o hotel foi tomado por 10 assaltantes que gritavam uma frase em árabe "Allahu Akbar".

    Pelo menos 3 pessoas foram mortos em resultado do ataque, informa a mídia citando a fonte no Ministério de Segurança do país. Um oficial da ONU informou que alegadamente entre as vítimas do atentado são dois malianos e um francês.

    Agora as forças especiais malianas tentam libertar o hotel que está sob o controle dos terroristas.

    Pelo menos 87 reféns foram libertados pelas forças especiais malianas, de acordo com a televisão estatal do Mali. Mais três reféns que são funcionários da Turkish Airlines conseguiram pôr-se a salvo. Segundo a mídia, a empresa áerea Air France disse que 12 seus funcionários foram libertados do hotel.

    A empresa-proprietário do hotel em Bamako disse que segundo as suas informações, 124 hóspedes e 13 funcionários do hotel ainda estão detidos dentro do edifício como reféns.

    Forças especiais do Mali estão evacuando os reféns do Hotel Radisson Blu, Bamaco, Mali, 20 de novembro de 2015
    © AFP 2021 / HABIBOU KOUYATE
    Forças especiais do Mali estão evacuando os reféns do Hotel Radisson Blu, Bamaco, Mali, 20 de novembro de 2015

    50 agentes das forças antiterroristas francesas foram enviadas a Bamako para apoiar as forças especiais malianas que realizam o assalto policial ao hotel, informa o RFI rádio. Segundo a revista francesa Le Figaro, o presidente francês François Hollande prometeu prestar ao Mali todo o apoio necesário para libertar os reféns.

    "Eles fecharam cerca de 140 hóspedes e cerca de 30 funcionários. Assim, o hotel está fechado e não há possibilidade de sair ou entrar", informou NBC citando o porta-voz do hotel.

    A ONU e o Comité Internacional da Cruz Vermelha afirmaram que entre os reféns no hotel não há funcionários destas organizações internacionais.

    O Ministério das Relações Exteriores da Turquia afirmou que entre os reféns no hotel estão 6 cidadãos turcos que são funcionários da empresa aérea Turkish Airlines. Também, a Reuters informou que os reféns no hotel Radisson em Bamako incluem cidadãos franceses mas o Ministério das Relações Exteriores da França ainda não confirmou esta informação. A Televisão Central da China citou a embaixada chinesa no Mali e disse que 10 cidadãos chineses ficam fechados no hotel. A chancelaria indiana afirmou que 20 cidadãos indianos estão entre os reféns no hotel. Agora todos os indianos são evacuados do hotel.

    Segundo o canal France24 que cita um dos funcionários do hotel que conseguiu pôr-se a salvo, os reféns foram levados para a parte subterrânea do hotel.

    "Os jihadistas estão disparando no sétimo andar", informou o canal televisivo francês citando as forças de segurança.

    Os assaltantes alegadamente passaram a noite no hotel e usaram granadas durante o ataque.

    O rádio francês RFI disse mais antes que 3 homens armados chegaram de veículos diplomáticos e começaram a disparar no jardim em frente do hotel antes de entrar no edifício.

    A embaixada dos EUA no Mali confimou o atentado. O primeiro-ministro do Mali, Modibo Keita, chamou uma unidade de  forças especiais.

    O hotél é muito popular entre os estrangeiros. Possui 190 quartos e se localiza no centro de Bamako perto de edifícios governamentais.

    As forças de segurança do país cercaram a área ao redor do hotel e fecharam o acesso para dentro dela.

    Segundo a mídia, alguns reféns que eram capazes de citar o Alcorão foram libertados.

    Segundo a administração presidencial maliana, o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, suspendeu a sua visita ao Chade devido ao ataque no hotel em Bamako. 

    Segundo a Reuters, o grupo Al-Mourabitoun, qe tem ligações com a al-Qaeda, tomou responsabilidade pelo ataque. Recentemente as forças de segurança do Mali têm prevenido alguns atentados organizados pelo grupo terrorista Boko Haram.

    Um dos reféns libertados afirma que os sequestradores falavam inglês.

    Tags:
    hotel, reféns, atentado, Boko Haram, Bamako, Mali
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar