17:20 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    9231
    Nos siga no

    A República Bolivariana da Venezuela aguarda explicações da parte estadunidense sobre a espionagem praticada neste mês de novembro em relação à estatal petrolífera da Venezuela, PDVSA.

    Na quinta-feira (19), a chancelaria venezuelana, encabeçada por Delcy Rodríguez, também exigiu uma explicação "oportuna e legalmente satisfatória" sobre o fato.

    Já o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou à chancelaria a revisão das relações com os EUA, exigindo respeito para o seu país.

    Também na quinta-feira, o ministro do Petróleo da Venezuela, Eulogio del Pino, declarou que "a estatal PDVSA é a empresa de hidrocarburos mais atacada". E afirmou que a empresa também exigirá explicações ao governop dos EUA.

    A NSA teria espionado a empresa na semana em curso. Em um comunicado emitido em 18 de novembro através do seu site oficial, o governo da Venezuela condena o "fato notório, comunicacional e inaceitável". Segundo Caracas, a espionagem teria sido realizada "desde a Embaixada dos Estados Unidos na Venezuela".

    Espionagem

    O fato da espionagem foi revelada na quarta-feira pelo Telesur e pelo site The Intercept, fundado por Edward Snowden, famoso ex-agente da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA, que agora está na Rússia.

    Já de acordo com o canal de TV estatal Telesur, os ataques informáticos contra o sistema digital da PDVSA começou em Washington, na sede da NSA. Depois, tendo comprovado que se tratava efectivamente do sistema de segurança da petrolífera, agentes começaram a agir no local.

    Segundo os dados divulgados, 900 empregados da PDVSA foram diretamente espionados, entre eles funcionários de alto escalão. Além disso, mais de 10 mil dossiês pessoaism inclusive o de Rafael Ramírez, ex-presidente da empresa até 2014.

    Rafael Ramírez, Igor Sechin e Hugo Chávez
    © AFP 2020 / LEO RAMÍREZ
    Rafael Ramírez, Igor Sechin e Hugo Chávez
    Tags:
    espionagem, Agência Nacional de Segurança (NSA), Nicolas Maduro, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar