02:35 06 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    317
    Nos siga no

    Centenas de soldados do Bahrein chegaram ao Iêmen nesta quarta-feira (18) para se juntar à coalizão liderada pela Arábia Saudita contra os rebeldes houthis, informou uma fonte militar em Sanaa à Sputnik.

    Entre 200 e 300 militares do Bahrein desembarcaram no porto de Áden, no sul do Iêmen, segundo disse a fonte, acrescentando que "eles vão tomar parte na ação de combate contra os rebeldes houthis e seus aliados na província de Taiz".

    O porta-voz da coalizão liderada pelos sauditas, Ahmed Asiri, confirmou a chegada das tropas de reforço, conforme relatado pelo canal de televisão Al-Arabiya.

    O presidente do Iêmen, Abd Rabbo Mansour Hadi, retornou ao seu país na terça-feira (17) depois de um exílio de oito meses na Arábia Saudita. Enquanto isso, forças leais ao regime deposto pelos rebeldes xiitas prossegue com a ofensiva em Taiz, e espera-se que Hadi assuma a supervisão direta da operação.

    Depois de ter sido obrigado a renunciar, por conta de revoltas populares lideradas pelos houthis, e de ter fugido para a Arábia Saudita, em março, Hadi pediu ajuda militar estrangeira para retomar o poder em Sanaa e eliminar os rebeldes, que, segundo ele, são apoiados pelas autoridades xiitas do Irã.

    O presidente iemenita já tinha tentado retornar provisoriamente ao Iêmen em setembro, após seis meses de exílio, mas foi forçado a recuar semanas depois, após um atentado contra o hotel onde o governo havia se instalado.

    Mais:

    Coalizão contrata centenas de mercenários colombianos para combaterem no Iêmen
    Chancelaria saudita diz que guerra no Iêmen está perto do fim
    Mais de 1.200 crianças morreram no Iêmen – dados oficiais
    Militantes do EI recebem ajuda para fugir de ataques russos em direção ao Iêmen
    Tags:
    exílio, coalizão, rebeldes, houthis, sunitas, xiitas, Abd Rabbo Mansour Hadi, Taiz, Irã, Arábia Saudita, Bahrein, Áden, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar