13:23 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    2131
    Nos siga no

    O bairro superlotado de Molenbeek na cidade belga de Bruxelas é um lugar seguro para islamistas radicais porque é onde eles adquirem armas, encontram suporte logístico e redes para realizar ataques na Europa, declarou o prefeito da cidade.

    O prefeito, citado pela agência Reuters, fez esta declaração no contexto da detenção de dois residentes de Molenbeek, envolvidos em uma série de ataques em Paris.

    Todo o absurdo da situação está no fato de que o bairro fica a pequena distância da sede da OTAN e da Comissão Europeia. Quer dizer, na cidade que é de fato o ponto central da Europa, perto dos escritórios centrais de duas organizações de tão alto nível, existe um terreno fértil para o extremismo islâmico.

    "Com 500 – 1.000 euros se pode obter uma arma de fogo em meia hora," disse Bilal Benyaich.

    O especialista acima citado é conselheiro sênior do escritório em Bruxelas do think-tank Itinera Institute, que tem estudado a expansão do islamismo radical na Bélgica. 

    Os jovens muçulmanos que se radicalizam e partem para a Síria com o objetivo de combater, quando retornam à Europa podem obter suporte em Molenbeek. Os radicais podem facilmente obter armas, achar amigos e planejar atos terroristas não só na Bélgica, mas também no estrangeiro, segundo explicou o especialista do think-tank.

    O bairro Molenbeek já tinha sido acusado várias vezes de envolvimento em ataques islamistas na Europa. Durante os ataques de 2004 em Madrid, um dos culpados era um marroquino residente do bairro de Bruxelas. Em agosto do mesmo ano, o atirador no Museu Judaico era também residente de Molenbeek.

    Mantenha os seus amigos por perto e os seus inimigos mais perto ainda?
    © Foto / Vitaly Podvitsky
    Mantenha os seus amigos por perto e os seus inimigos mais perto ainda?
    E mais do que isso: os que prepararam o massacre na redação do Charlie Hebdo em Paris, bem como o atirador marroquino do trem Bruxelas-Paris, que tinha na posse um AK-47 e cerca de 300 balas, todos eles compraram as armas neste bairro.

    • Forças de segurança durante operações no bairro de Molenbeek em Bruxelas, 16 de novembro de 2015
      Forças de segurança durante operações no bairro de Molenbeek em Bruxelas, 16 de novembro de 2015
      © AFP 2019 / BELGA PHOTO / BENOIT DOPPAGNE
    • A cartaz no bairro de Molenbeek em Bruxelas, 17 de novembro, 2015
      A cartaz no bairro de Molenbeek em Bruxelas, 17 de novembro, 2015
      © REUTERS / Yves Herman
    1 / 2
    © AFP 2019 / BELGA PHOTO / BENOIT DOPPAGNE
    Forças de segurança durante operações no bairro de Molenbeek em Bruxelas, 16 de novembro de 2015
    E, finalmente, Hamza Attou e Mohamed Amri, cidadãos belgas, foram detidos em Molenbeek em conexão com os recentes atentados em Paris. Durante a detenção, os seus pertences foram testados e foi revelado que tinham vestígios de nitrato de amónio, usado na fabricação de explosivos. Também foram achadas armas no seu apartamento.

    Tags:
    terrorismo, União Europeia, Bruxelas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar