02:34 27 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Queda do A321 russo no Egito (60)
    11291
    Nos siga no

    O artigo 51 da Carta da ONU prevê o direito de qualquer Estado à autodefesa em caso de ataque, por isso a Rússia realizará este direito com todos os meios acessíveis, declarou o chanceler russo, Sergei Lavrov.

    Segundo o ministro russo das Relações Exteriores, a morte de russos no atentado que levou à queda do avião russo A321 na península de Sinai é equivalente a um ataque contra a Rússia.

    A respetiva declaração foi feita na coletiva para imprensa após a reunião com o seu colega do Líbano, Gibran Basil.

    “Em relação às nossas ações (de busca e punição de culpados do atentado), segundo sublinhou o presidente (da Rússia, Vladimir Putin) serão baseadas no artigo 51 da Carta da ONU, que prevê o direito de qualquer Estado à autodefesa individual e coletiva em caso de ataque contra ele. O ato terrorista no Sinai foi exatamente um ataque contra cidadãos russos, o que é equivalente a um ataque ao Estado”, declarou.

    O chanceler russo também sublinhou que o direito em questão será realizado por todos os meios possíveis – políticos, militares, de serviços especiais e de informações, etc.

    Em 31 de outubro aconteceu a maior catástrofe da história da aviação russa e soviética – um Airbus A321 da companhia russa Kogalymavia (também conhecida como Metrojet), com 224 pessoas a bordo, caiu na península do Sinai, no Egito matando todos os passageiros e membros da tripulação. Na terça-feira (17 de novembro) o Serviço Federal de Segurança russo (FSB na sigla em russo) Aleksandr Bortnikov declarou que a bordo de A321 detonou um engenho explosivo de fabrico caseiro com uma potência de 1kg de TNT.

    Tema:
    Queda do A321 russo no Egito (60)
    Tags:
    atentado, terrorismo, catástrofe, Sinai, Egito, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar