04:56 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Uma mulher combatente curda da Unidade de Proteção do Povo (YPG) na linha de frente na Síria.

    EUA se contradizem dizendo que nunca forneceram armas aos curdos do YPG

    © AFP 2018/ Delil Souleiman
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    16222

    O coronel Steve Warren, responsável pela operações dos EUA contra o EI, disse na semana passada que os EUA nunca forneceram e nunca fornecerão armas às forças curdas em luta contra o grupo jihadista na Síria - referindo-se às "Unidades de Proteção Popular" curdas (YPG). No entanto, a realidade é bem outra, segundo relata o What They Say About USA.

    De acordo com o artigo do site analítico, Warren dissera que as armas dos EUA foram e serão destinadas a uma coalizão árabe composta pelas recém-formadas "Forças Democráticas da Síria". A Turquia, que empreende uma guerra contra as forças curdas em seu território, se mostrou satisfeita com a declaração norte-americana.

    Para o autor do artigo, porém, os EUA querem apenas evitar irritar a Turquia, porque suas tropas estão atualmente usando a base aérea de Incirlik para lançar ataques contra o Estado Islâmico. Enquanto Warren afirma uma postura, outros oficiais do Departamento de Defesa norte-americano continuam a emitir declarações que contradizem suas palavras.

    Há apenas um mês, a Casa Branca anunciou a entrega de 50 toneladas de armas e munições "para os árabes sírios" que estão lutando contra o Estado Islâmico. Imediatamente depois, funcionários do Pentágono, sob condições de anonimato, emitiram uma refutação da declaração no Washington Post, no New York Times e na Bloomberg, afirmando que o objetivo principal da Casa Branca havia sido o de fornecer assistência militar aos curdos — e não aos árabes — e que isto, de fato, foi realizado. Uma proporção significativa das armas e munições entregues acabou nas mãos dos curdos — fato confirmado pelo líder do Partido da União Democrática (PYD), Salih Muslim, juntamente com um dos comandantes do YPG, Sipan Hemo. Além de tudo isso, a região onde as armas e munições norte-americanas foram entregues é controlada pelos curdos.

    O artigo segue notando que, se Washington realmente tiver pretensões de acabar com o Estado Islâmico, não pode se dar ao luxo de não colaborar com o YPG. Os curdos são reconhecidos por todas as partes — exceto, talvez, pela Turquia e pelas nações árabes — como uma das forças mais eficazes na luta contra o grupo terrorista. 

    Entre as muitas perguntas suscitadas pela contradição de discursos dos oficiais norte-americanos, segundo a análise do What They Say About USA, a principal é a seguinte: se os EUA não pretendem colaborar com o YPG, como disse o coronel Warren, então o que está por trás da política norte-americana de pressionar o YPG a se afastar do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização considerada terrorista por Ancara? 

    A conclusão é inevitável, segundo o autor do artigo. Os Estados Unidos não tem a menor intenção de cessar a sua colaboração com o YPG. Washington está apenas tentando deixar seu apoio menos visível, para evitar irritar a Turquia e para conseguir um compromisso entre o YPG e Ancara. A criação das "Forças Democráticas da Síria", às quais se referiu o coronel Warren, e a pressão de Washington sobre o YPG são apenas frutos desta política.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Curdistão sírio: democracia, integração de minorias e luta contra Estado Islâmico
    Rússia reafirma vontade de formar parceria com os EUA contra o EI
    Putin: EUA possibilitam fornecimento de armas letais à Ucrânia
    Tags:
    apoio, munição, armas, terroristas, curdos, What They Say About USA, Estado Islâmico, Partido da União Democrática (PYD), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), YPG, Steven Warren, Incirlik, Turquia, EUA, Região Autônoma do Curdistão, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik