05:12 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Capital francesa sofre pior atentado da história (68)
    130
    Nos siga no

    Um homem que transportava armas em um automóvel foi detido alguns dias atrás na região alemã da Baviera. No momento, a investigação trata de esclarecer se há vínculo entre ele e os ataques em Paris, informou neste sábado um porta-voz da Polícia Federal da Alemanha.

    “Posso confirmar que foi preso um homem que transportava armas em seu carro pessoal. No momento, a investigação tenta descobrir se há alguma relação entre ele e os atentados em Paris”, disse à Sputnik.

    O ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maiziere, divulgou que o suspeito se dirigia a Paris, a julgar pelo endereço em seu navegador GPS.

    “Estamos averiguando no momento as circunstâncias da prisão que aconteceu uns dias atrás em Rosenheim e se ela poderia estar relacionada e de que modo com os atentados em Paris”, afirmou o ministro.

    Anteriormente, foi informado que o homem saiu de Montenegro. 

    Uma série de atentados em seis locais diferentes abalou Paris e chocou o mundo na noite desta sexta-feira. Terroristas abriram fogo em um restaurante, detonaram três bombas perto do Stade de France, onde França e Alemanha disputavam uma partida amistosa de futebol, e tomaram reféns em uma casa de show. Segundo estimativas oficiais, os atentados deixaram pelo menos 127 mortos e mais de 250 feridos.

    Tema:
    Capital francesa sofre pior atentado da história (68)

    Mais:

    Dois terroristas se explodiram durante invasão da polícia ao teatro em Paris
    Governo brasileiro divulga nota em solidariedade às vítimas dos atentados em Paris
    Polícia invade teatro em Paris onde terroristas mantinham mais de 100 reféns
    Terroristas matam dezenas de pessoas e mantêm mais de 100 reféns em Paris
    Tags:
    investigação, suspeito, prisão, atentados, terrorismo, Estado Islâmico, Thomas de Maiziere, Macedônia, Paris, França, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar