21:04 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Local onde ocorreram os atentados terroristas em Beirute

    Brasil condena duplo atentado terrorista em Beirute

    © REUTERS/ Hasan Shaaban
    Mundo
    URL curta
    0 36550

    O governo brasileiro divulgou nota condenando o duplo atentado em Beirute, ocorrido na quinta-feira (12), informou a Agência Brasil. As ações deixaram pelo menos 41 mortos e cerca de 200 feridos, conforme balanço divulgado no início da noite de ontem pela Cruz Vermelha do Líbano.

    “O Brasil condena, nos mais fortes termos, o ataque, reivindicado pelo grupo terrorista autointitulado ‘Estado Islâmico’, e transmite suas condolências às famílias das vítimas e ao governo e povo do Líbano. O governo brasileiro reitera seu apoio ao empenho do governo libanês em manter a estabilidade do país e respalda a política libanesa de evitar o envolvimento nos conflitos da região”, diz nota divulgada pelo Itamaraty.

    De acordo com o Itamaraty, não há registro de brasileiros entre as vítimas dos atentados e a Embaixada do Brasil está monitorando a situação.

    Em comunicado publicado na Internet, lembrou a Agência Brasil, o Estado Islâmico afirmou ter “conseguido detonar uma bomba colocada em uma motocicleta contra uma reunião de xiitas no bairro de Burch al-Barachne, uma das fortalezas do grupo Hezbollah”.

    A dupla explosão de quinta-feira foi a primeira nos subúrbios sul de Beirute desde junho de 2014, quando uma viatura com bombas matou um agente da segurança que tentava prender o homem-bomba.

    Na oportunidade, os grupos declararam que os ataques tinham sido uma vingança contra a decisão do Hezbollah, que enviou milhares de combatentes para a vizinha Síria, de modo a apoiar as forças do presidente sírio, Bashar Al Assad, contra a rebelião dominada pelos sunitas.

    Tags:
    motos, governo, chancelaria, comunicado, nota, homem-bomba, bomba, terrorista, atentado, condenação, Internet, Hezbollah, Estado Islâmico, Itamaraty, Bashar Assad, Síria, Beirute, Líbano, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik