07:19 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    452
    Nos siga no

    A gigante de informática Microsoft afirmou, nesta quarta-feira, que terá novos bancos de dados na Alemanha para proteger seus clientes estrangeiros das práticas de vigilância conduzidas pelas agências de segurança e inteligência americanas.

    Os bancos de dados, que devem começar a funcionar em 2016, serão operados por uma subsidiária da Deutsche Telekom, T-Systems, segundo informações do jornal Financial Times. Os sistema proibirá funcionários da Microsoft de acessar dados sem a aprovação da T-Systems.

    "Essa novas regiões de bancos de dados permitirão aos consumidores usar toda a potência da nuvem Microsoft na Alemanha… e garantirão que uma empresa alemã tenha controle dos dados", afirmou o CEO da Microsoft, Satya Nadella, em uma entrevista coletiva em Berlim.

    Satya afirmou que a Microsoft lançaria seu primeiro banco de dados baseado no Reino Unido também em 2016. As últimas manobras, que fazem parte do investimento de US$ 15 bilhões em serviços de nuvem, vêm sendo vistas como parte da batalha entre ativistas em favor da privacidade e as vigilâncias governamentais.

    A preocupação com a privacidade na Europa cresceu após a publicação, em 2013, de documentos que revelavam e comprovavam a existência de vigilância global conduzida por agências federais. Os documentos, vazados pelo ex-agente da NSA Edward Snowden, mostravam que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA trabalha em parceria com empresas como Verizon, Google, Facebook, Apple, Microsoft e outros gigantes do setor de telecomunicações.

    Mais:

    Edward Snowden: resolução do Parlamento Europeu é um gesto "extraordinário"
    Hillary Clinton quer Edward Snowden longe dos EUA
    Edward Snowden aparece no Twitter
    EUA fazem pressão sobre aliados para rastrear Snowden
    Tags:
    vigilância, banco de dados, Agência Nacional de Segurança (NSA), Microsoft, Edward Snowden, Satya Nadella, Berlim, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar