22:19 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (177)
    1111
    Nos siga no

    Vários ministros da Alemanha já deixaram as tentativas de alcançar um compromisso com a política migratória da chanceler Angela Merkel e agem abertamente sem o seu conhecimento.

    Segundo o Der Spiegel, Merkel perdeu o controle sobre o seu governo e aqueles que foram os seus amigos tentam retirar-lhe o poder.

    A crise na política do país foi provocada por outra crise – a migratória, e agora o caos reina no gabinete da chanceler.  

    Depois de declarar em agosto uma política de portas aberta para os refugiados sírios, que levou ao maior afluxo de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, Merkel efetivamente rasgou dois princípios fundamentais da União Europeia: o Acordo de Schengen e as regras de Dublin.

    O Acordo de Schengen permite a livre circulação de pessoas entre os países no espaço Schengen — excluindo, claro, o Reino Unido e a Irlanda. No entanto, ele foi negociado numa época em que ninguém havia considerado o efeito dos conflitos no Norte da África e no Oriente Médio, com a Primavera Árabe e os conflitos na Turquia, Síria, Iraque e Afeganistão, que têm levado a um movimento em massa de pessoas para a Europa.

    Embora Merkel seja pró-Schengen, o seu país rompe de fato o Acordo através da imposição de controlos fronteiriços temporários. Além disso, ela quebrou as regras de Dublin — que estabelecem que os requerentes de asilo devem fazer o pedido e manter-se no primeiro país de entrada da zona Schengen. Ora, os refugiados têm podido fazer o seu caminho para a Alemanha e ser registrados lá.

    Primeiramente, a coalizão coordenou a nova política em relação aos migrantes e refugiados, mas depois o ministro do Interior Thomas de Maizière anunciou o endurecimento sério dos mecanismos anteriormente acordados. 

    E, mais do que isso, o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schauble, notou que Maizière tomou a decisão "necessária" para a restrição de número de migrantes.

    O jornalista alemão Jakob Augstein comentou a situação:

    "Uma política destas seria insensível e impensada, mas Schauble e de Maizière não se preocupam com isso. O seu único objetivo é limitar o número de refugiados."

    Durante as últimas semanas, Merkel desistiu da criação de mais campos de trânsito e concordou em criar centros de refugiados, bem como acelerar o tratamento dos processos  dos refugiados e a deportação daqueles a quem foi recusado o asilo. O compromisso significaria que será dada uma resposta aos refugiados em semanas, em vez de meses. No entanto, as decisões foram criticadas como pouco eficientes, pois será quase impossível decidir se alguém é um refugiado da uma zona de guerra ou um imigrante por razões econômicas num tempo tão curto.

    Os comentários de Wolfgang Schauble e de uma série de jornais alemães mostram que Merkel ainda está em uma posição delicada, principalmente por razão das diferenças dentro do seu próprio governo.

    Tema:
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (177)
    Tags:
    crise migratória, mídia, Angela Merkel, União Europeia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar