11:24 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    10154
    Nos siga no

    Israel condenou a decisão das autoridades europeias de introduzir uma marcação especial dos produtos israelenses que são produzidos em territórios ocupados, chamando a diretiva da Comissão Europeia de discriminação, demonstração de padrões duplos e um obstáculo ao processo pacífico no Oriente Médio.

    A decisão, que entrará em vigor depois de 11 ou 12 de Novembro, proíbe os países da União Europeia de indicar os produtos fabricados em povoações da Cisjordânia, Colinas de Golã e em Jerusalém Oriental como “feitos em Israel”.

    “Israel condena a decisão da União Europeia de marcar a produção israelense feita em regiões que estão sob o controle de Israel desde 1967. Lamentamos que a UE tenha decidido recorrer a esta medida excepcional e discriminatória inspirada pelo movimento de boicote por razões políticas, enquanto Israel se opõe a uma onda de terrorismo voltada contra todos os seus cidadãos e contra cada um deles”, diz-se no comunicado do Ministério das Relações Exteriores de Israel.

    Na quarta-feira (11), o vice-presidente da Comissão Europeia para assuntos de euro e diálogo social, Valdis Dombrovskis, disse aos jornalistas que a UE não apoia “um boicote sob qualquer forma ou sanções contra Israel”.

    “É um assunto técnico e não político”, afirmou Dombrovskis.

    Todavia, a chancelaria israelense não está satisfeita com as declarações oficiais da UE.

    “Deixa-nos perplexos ou mesmo irritados o fato de a UE ter decidido recorrer a padrões duplos especialmente em relação de Israel, ignorando mais de 200 disputas territoriais em todo o mundo, incluindo as que se continuam junto das fronteiras da União Europeia ou mesmo dentro dela. As afirmações que a medida tem um caráter técnico são cínicas e infundadas”, destaca-se no comunicado da chancelaria israelense.

    O desenvolvimento de uma rede de assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, onde moram de cerca de 500 mil israelenses, é considerado o fator principal de tensões nas relações entre Israel e a comunidade internacional e o principal obstáculo para reiniciar o processo pacífico com os palestinos.

    Segundo a AFP, as autoridades palestinas saudaram este passo da Comissão Europeia, mas chamou-o de “insuficiente”.

    Há que lembrar que, em abril, chanceleres de 16 países da UE enviaram uma carta à chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, apelando a acelerar o processo de marcação dos produtos de territórios ocupados. Em setembro, o Parlamento Europeu adotou uma resolução em apoio desta iniciativa.

    Tags:
    boicote, produção, Comissão Europeia, Palestina, UE, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar