20:13 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Londres

    Cuidado com o Urso: Grã-Bretanha lista Rússia como ‘ameaça’ à segurança nacional

    © flickr.com/ Rick Hope
    Mundo
    URL curta
    102423119

    A Rússia foi listada como uma potencial ameaça à segurança da Grã-Bretanha, de acordo com uma análise preliminar da nova Estratégia de Segurança Nacional do país, documento que deverá ser revelado pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, em 23 de novembro.

    A nova lista de potenciais ameaças foi compilada pelo governo britânico após uma grande revisão das medidas de segurança no país.

    De acordo com a mídia britânica, a Rússia foi incluída na relação devido à crise ucraniana, mas a incerteza sobre as causas da queda do Airbus A321 da companhia russa Kogalymavia (Metrojet), no Egito, teria aumentado as preocupações de Londres.

    "Os últimos cinco anos têm visto uma série de desenvolvimentos internacionais, que vão desde o crescimento da radicalização e do fundamentalismo às preocupações cada vez maiores em torno do nosso abastecimento energético e a agressão crescente da Rússia", diz o resumo da próxima Estratégia de Segurança Nacional britânica.

    "As ações da Rússia na Ucrânia introduziram pontos de interrogação sobre o papel e o futuro das operações da OTAN nos países vizinhos e despertaram de novo a ameaça representada pela Rússia aos Estados da Europa Oriental e do Báltico, alguns dos quais são membros da OTAN e/ou da União Europeia”, lê-se na seção do manual sobre a Rússia.

    Além disso, o texto afirma que o "crescente isolamento da Rússia na política internacional (por exemplo, o G8 se reuniu no ano passado como G7, excluindo o Presidente Putin da mesa), o aumento dos gastos militares e a aparente disposição para mostrar força face à condenação universal sugerem que os próximos cinco anos podem muito bem ver uma escalada da ameaça russa para a segurança da Europa Ocidental".

    Mais compreensivelmente, a ameaça do terrorismo internacional decorrente do Estado Islâmico e da Al-Qaeda ficaram no topo da lista dos perigos percebidos pelo governo britânico.

    "A interação entre as duas organizações, e seu encorajamento de outros para seguir seus caminhos, renovaram e aprofundaram o desafio em todo o Oriente Médio e África", afirma o relatório.

    Além disso, Londres destaca o risco representado por jihadistas britânicos que voltam ao país após serem treinados na Síria, no Iraque e em outras áreas em conflito. 

    Entre as outras ameaças listadas no documento, destacam-se ainda a onda de instabilidade provocada pela chamada Primavera Árabe, que “começou como uma série de revoltas populares contra regimes autoritários, mas gerou convulsão política, desordem civil e conflito em todo o Norte da África e no Oriente Médio”; a volatilidade da situação na Ucrânia; o "autoritarismo e as violações persistentes dos direitos humanos por parte do governo chinês"; a segurança cibernética e o crime organizado; as mudanças climáticas; os "níveis crescentes de deslocamento e migração forçados da população"; a infraestrutura energética e, por fim, as transformações na economia e a estagnação na zona do Euro.

    Quanto à suposta “agressão crescente da Rússia”, Moscou tem reiterado que não alimenta nenhuma aspiração imperialista e que, ao contrário, trabalha para a formação de um mundo multipolar, rejeitando as pretensões de controle hegemônico por parte de um único país. Além disso, o Kremlin vem ressaltando que a expansão da presença militar da OTAN em direção às fronteiras ocidentais da Rússia provoca instabilidade e representa a verdadeira ameaça à segurança regional.

     

    Mais:

    Secretário de Defesa dos EUA: Rússia ameaça a ordem global
    Putin destaca o crescente nível de ameaças externas aos países da CEI
    Putin: operação militar na Síria confirma preparo da Rússia para enfrentar ameaças
    Tags:
    Grã-Bretanha, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik