13:25 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Uma rosa no local do acidente do avião russo Airbus A321 no Egito

    Jornal francês faz piada com mortes do A321 russo no Egito

    © REUTERS / Mohamed Abd El Ghany
    Mundo
    URL curta
    Queda do A321 russo no Egito (60)
    13509

    O jornal satírico francês Charlie Hebdo publicou duas charges sobre a queda do avião A321 russo no Egito. Na Rússia, elas foram consideradas como um insulto à memória das vítimas do acidente aéreo que custou a vida a 224 pessoas.

    As charges apareceram na edição da quinta-feira (5).

    Uma delas mostra um terrorista do Estado Islâmico (EI) e os destroços do avião caindo sobre e em torno dele. A legenda diz: "Estado Islâmico: Aviação Russa intensifica sua campanha de bombardeio".

    No segundo desenho, um crânio em óculos escuros meio quebrados, deitado no chão em meio de partes de corpos e destroços do avião, fala sobre os perigos de voar com a companhia aérea russa. A legenda diz: "Os perigos de voar de baixo custo. Eu deveria ter tomado Air Cocaine".

    A charge aparentemente se refere ao que é conhecido na França como o caso de "Air Cocaine", um incidente com dois franceses acusados de voar com cerca de 680 quilos de cocaína da República Dominicana para a França.

    Os desenhos já foram chamados de blasfêmia e insulto à memória das vítimas da tragédia horrível.

    "Eu acho que é uma blasfêmia e um escárnio das memórias das vítimas da tragédia. Nenhum meio de comunicação deve ser autorizado a fazer isso, não importa em que gênero se especializam", disse Igor Morozov, membro da Comissão parlamentar para Relações Exteriores russa.

    "Eu acho que os próprios jornalistas provocam a violência", acrescentou o político.

    O Charlie Hebdo é conhecido por suas publicações controversas. Em 7 de janeiro, o escritório da edição em Paris foi atacado por islamistas radicais armados que mataram 12 pessoas e feriram 11 por terem publicado umas caricaturas que apresentavam uma imagem cômica do profeta Maomé.

    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia Maria Zakharova também comentou as charges na sua página no Facebook com uma pergunta: "Alguém mais ainda é Charlie?"

    Ещё кто-то Шарли?

    Posted by Мария Захарова on 5 ноября 2015 г.

    O comentário refere-se ao slogan e hashtag #JeSuisCharlie (Eu sou Charlie) que apareceu espontaneamente após o ataque em janeiro em apoio aos jornalistas mortos da revista.

    Em setembro Maria Zakharova comentou outra charge de Charlie Hebdo sobre a morte de uma criança síria.

    "Você sabe por que eu não sou JeSuisCharlie?", ela escreveu:

    "Porque, na minha opinião, eles enganam a todos nós e a si mesmos, afirmando que não existem temas proibidos para o seu humor. Se fosse realmente assim, então poderíamos entender a charge com uma criança síria morta (não aceitar, mas apenas entender). Mas sob uma única condição: se no dia seguinte eles tivessem publicado uma caricatura dos seus colegas mortos".

    O porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, afirmou, em coletiva também desta sexta, que Moscou considera "inaceitável" e "blasfêmia" a publicação dos desenhos.

    Tema:
    Queda do A321 russo no Egito (60)

    Mais:

    Cartunista que desenhou Maomé deixa o Charlie Hebdo, quatro meses após ataque terrorista
    Washington não exclui possibilidade de terrorismo na queda do avião russo no Egito
    Alemanha e Turquia suspendem voos para o Sinai após tragédia do avião russo A321
    Tags:
    A321, vítimas, mortos, tragédia, acidente aéreo, Charlie Hebdo, Estado Islâmico, Dmitry Peskov, Maomé, Maria Zakharova, Península do Sinai, Sinai, França, Egito, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik