20:17 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Sede do serviço de inteligência do Reino Unido, Government Communications Headquarters (GCHQ), em  Cheltenham, Gloucestershire

    Reino Unido propõe reforço da vigilância e fim da privacidade na internet

    © Foto : British Ministry of Defence
    Mundo
    URL curta
    607

    A Anistia Internacional criticou duramente nesta quarta-feira a proposta britânica de institucionalizar a vigilância cibernética, reforçando a coleta de dados dos cidadãos sem qualquer autorização judicial prévia.

    Nesta quarta-feira, a ministra do Interior da Grã-Bretanha, Theresa May, apresentou ao parlamento um projeto de lei obrigando as empresas do setor de comunicações a armazenar informações sobre os usuários de internet por um período de 12 meses, concedendo às autoridades do país acesso irrestrito a esses dados, para fins de segurança nacional. A medida, no entanto, está sendo amplamente questionada por parte da sociedade civil e por grupos de defesa dos direitos humanos. 

    "Maiores poderes para bisbilhotar levarão o Reino Unido a se tornar um Estado de vigilância", afirmou hoje a pesquisadora da Anistia Internacional Alice Wyss, em coletiva de imprensa. 

    Em meio às inúmeras denúncias do ex-analista da Agência Nacional de Segurança dos EUA Edward Snowden sobre os programas ilegais de espionagem levados a cabo pelos serviços secretos britânico e norte-americano, a inteligência da Grã-Bretanha resolveu admitir algumas das acusações, revelando, em julho passado, que espionou por algum tempo as atividades de uma série de organizações, incluindo a Anistia Internacional. 

    "Se até a Anistia é alvo do jogo dos fantasmas do governo, então quem mais está sendo espionado? Os espiões do governo vão ficar rotineiramente ouvindo (por escutas) jornalistas, conselhos locais e manifestantes individuais", alertou Wyss. 

    Mais:

    Grã Bretanha retira agentes secretos após Rússia e China receberem documentos de Snowden
    Inteligência do Reino Unido pode evitar responsabilidade por vigilância em massa
    Tags:
    espionagem, inteligência, Anistia Internacional, Quartel-General de Comunicações do Governo (GCHQ), Agência Nacional de Segurança (NSA), Edward Snowden, Alice Wyss, Theresa May, EUA, Grã-Bretanha, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik