03:53 22 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Barack Obama

    Mídia: conflito sírio destrói reputação dos EUA

    © AP Photo/ Susan Walsh
    Mundo
    URL curta
    16524

    Os Estados Unidos devem deixar de lado as tentativas de intervir no Oriente Médio enquanto ainda não ficaram completamente desacreditados. É o que diz a publicação de revista britânica ‘The Week’.

    Segundo a edição, ao enviar Forças Especiais para a Síria para treinar insurgentes, Obama cada vez mais envolve seu país em um conflito no qual os aliados dos EUA, os combatentes da assim chamada "oposição moderada", não têm nenhuma chance. Todas as tentativas anteriores de treinar militares estrangeiros não tiveram sucesso porque as tropas regulares foram derrotadas e desertadas. 

    O presidente norte-americano, no entanto, afirma a revista ainda acredita que na situação do Oriente Médio a última palavra deve permanecer sendo do governo dos EUA. Na tentativa de defender esse erro, Obama está disposto a discutir com Moscou, apesar do fato de que o aliado russo, o presidente Bashar Assad, poderia sair vitorioso da guerra civil.

    A publicação da ‘The Week’ ressalta também que essa operação, de acordo com todas as evidências, não possui nenhum alvo específico – os americanos são enviados não para dar fim à guerra, mas para “reforçar os esforços diplomáticos”. No entanto, de acordo com o artigo, isso não se relaciona com o risco que o governo assume, colocando no mapa a vidas de pessoas, a honra e a dignidade do país. 

    “Washington não conseguirá resolver a crise síria com o seu desejo de atrapalhar as operações russas, mas irá agravar e estender o conflito”, conclui a revista. 

    Desde 30 de setembro, a pedido do presidente sírio, Bashar Assad, a Rússia realiza ataques aéreos contra posições do "Estado islâmico" na Síria. Durante este período, as forças aeroespaciais lançaram quase 690 ataques, matando centenas de militantes, destruindo dezenas de centros de controle, armazéns e outras instalações terroristas. Além disso, 26 mísseis de cruzeiro foram disparados de navios da Frota do Mar Cáspio.

    A coalizão internacional liderada pelos EUA realiza ataques contra o Estado Islâmico desde setembro de 2014.

     

    Mais:

    Caças russos partem para ‘sorties’ contra terrorismo da base de Hmeymim na Síria
    Chanceler russo e enviado da ONU para a Síria discutem situação
    Pela primeira vez, Rússia usou informações passadas pela oposição síria contra terroristas
    Militares dos EUA treinam combatentes da oposição na Síria, em região sem presença do EI
    Tropas dos EUA na Síria visam impedir a Rússia de realizar sua campanha aérea
    Rússia e Israel trocam informações sobre a Síria
    Tags:
    conflito sírio, mídia, Barack Obama, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik