10:00 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Rebelde em frente à refinaria de petróleo, após captura pelas forças opositoras ao governo da cidade de Ras Lanouf, no Leste da Líbia

    Segundo ex-agente da CIA, o oleoduto clandestino do Estado Islâmico passa pela Turquia

    © AP Photo / Hussein Malla
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    12221
    Nos siga no

    O ex-agente da CIA e investigador do comitê do senado dos EUA para relações exteriores, John Kiriakou, disse ao Sputnik que, provavelmente, grande parte da exportação ilegal de petróleo realizada pelo Estado Islâmico acontece através do território do Curdistão iraquiano e da Turquia, com ajuda das autoridades corruptas no local.

    “Eu sempre tive a suposição de que alguém do lado turco da fronteira estivesse fazendo um bom dinheiro com isso. Existem interessados demais para que isso simplesmente deixe de acontecer”, disse Kiriakou.

    O ex-agente da CIA destacou que as reservas mais ricas de petróleo em posse dos terroristas estão no sul do Iraque. Dessa forma, a rota mais óbvia para a exportação desses recursos passaria também pelos territórios dos curdos.

    A Turquia é um aliado dos EUA na região e é membro da OTAN há 60 anos. No entanto, segundo Kiriakou, o governo de Ancara não consegue fazer nada contra a corrupção dos governos locais.

    “[A responsabilidade] não é do governo oficial turco. Provavelmente são os elementos corruptos do exército turco e no governo regional no sudeste da Turquia que estão envolvidos nisso”, explicou o norte-americano.

    Segundo os dados do ministério das finanças dos EUA, o Estado Islâmico faturou cerca de um bilhão de dólares com roubo de bancos das áreas conquistadas e lucra de 40 a 50 milhões de dólares por mês com a venda do petróleo.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Ataques russos reduzem receita do Estado Islâmico com petróleo
    Tags:
    petróleo, Estado Islâmico, CIA, John Kiriakou, Curdistão iraquiano, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar