15:07 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    11113
    Nos siga no

    A Ucrânia planeja acabar com as compras do gás russo, o substituindo pelo combustível europeu o que prova que as previsões da Associated Press são corretas: a agência norte-americana afirmou que o Ocidente terá de alimentar a Ucrânia durante anos.

    A companhia de gás ucraniana Naftogaz espera evitar a compra de gás russo em 2016 e conta com as importações provenientes da União Europeia e quer reduzir o consumo total, disse o chefe da Naftogaz Andrei Kobolev na quinta-feira (29).

    "Eu acho que em 2016, estamos certos que seremos capazes de evitar completamente [a compra] do gás russo aumentando as importações da Europa e cortando o consumo na Ucrânia, e será possível dizer que nós podemos comprar todo o gás na Europa, se for necessário", disse Kobolev aos jornalistas.

    Além disso, o chefe da empresa disse que a Naftogaz pagou completamente o fornecimento de dois bilhões de metros cúbicos e planeja receber toda a quantidade do gás russo até o sábado (31).

    O ministro da Energia russo Aleksandr Novak na quarta-feira (28) disse que a empresa russa Gazprom recebeu da Ucrânia 454 milhões de dólares como o pré-pagamento e começou o fornecimento de dois bilhões de metros cúbicos de gás. Segundo o ministro, a Ucrânia deve continuar comprando o gás para evitar riscos durante o inverno.

    Antes o primeiro-ministro ucraniano Arseny Yatsenyuk disse que para as importações do gás Kiev precisa de 1,3 bilhões de dólares dos quais a Naftogaz já tem 500 milhões, mais 300 milhões são esperados da EU e mais meio-bilhão – do Banco Mundial.

    Na quinta-feira, Andrei Kobolev também disse que 500 milhões de dólares do Banco Mundial devem ser creditado até os finais do ano.  

    E parece que estes créditos não serão últimos. Segundo a Associated Press, a realidade econômica não corresponde às esperanças das autoridades norte-americanas de restaurar a economia ucraniana por conta da agricultura. Os jovens se vão embora das regiões agrícolas por desemprego. Além disso, acontecem suspensões temporárias da luz, a corrupção prospera.

    “É evidente que a Ucrânia será dependente da assistência financeira dos EUA e Europa durante muitos anos”, nota a agência de notícias.

    Maidan Nezalezhnosti, em Kiev, durante protesto
    © Sputnik / Andrey Stenin
    Em vez de restaurar o comércio russo aos níveis pré-conflito, o objetivo é uma economia próxima à da vizinha Polônia, com maior integração europeia e global, diz a ministra das Finanças Natalia Yaresko.

    "Eu não acho que esses níveis de comércio com a Rússia será como era no passado… Estamos dirigindo as nossas exportações para a Ásia, Europa, Oriente Médio e Norte da África", afirmou Natalia Yaresko, citada pela Associated Press.

    Segundo os especialistas, a Ucrânia não pode esperar pela normalização da situação. O PIB ucraniano baixará 10% neste ano. O volume do comércio se reduz com a Rússia, maior parceiro (neste ano é duas vezes menor do que no ano passado), no entanto, caem também as exportações para a UE e os EUA. 

    Mais:

    Rússia e Ucrânia interrompem comunicações aéreas
    Registradas violações em massa nas eleições locais ucranianas
    Tags:
    credores internacionais, crise ucraniana, economia, Banco Mundial, Naftogaz, Andrei Kobolev, Natalia Yaresko, Aleksandr Novak, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar