08:20 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Marinheiros chineses e estadunidenses estão na frente das bandeiras da China e dos EUA

    EUA vão pagar caro confronto com a China

    © AP Photo / Kin Cheung
    Mundo
    URL curta
    71874

    Os EUA enviaram o navio de guerra USS Lassen para a zona das ilhas artificiais no arquipélago Spratly e, aparentemente, planejam enviar mais navios, apesar de uma advertência clara de Pequim, que reclama a soberania sobre a área.

    Estamos a assistindo a uma nova fase de confrontação nas relações entre EUA e China na região, disse o historiador vietnamita Nguyen Manh Ha à Sputnik Vietnã.

    "Os EUA mandaram o navio com mísseis Tomahawk para ver a reação do Pequim. Os EUA consideram estas águas internacionais, mas a China anunciou a sua reivindicação territorial em torno das ilhas artificiais. A primeira reação da China foi moderada. Mas vamos ver o que acontecerá em seguida, talvez daqui a uma semana, quando os Estados Unidos continuarem patrulhando a área. Eu acho que haverá uma mudança nas disputas territoriais no Mar da China do Sul, que complicam a situação na região. Isto está ligado com o retorno dos Estados Unidos para a Ásia".

    A China e os Estados Unidos são rivais geopolíticos no controle do Sudeste Asiático, diz o conhecido professor e chefe do Departamento de História da Ásia Oriental na Universidade Estatal de São Petersburgo Vladimir Kolotov.

    "Ambas as partes estão lá apenas para proteger seus próprios interesses, tentando usar pequenos e médios países do Sudeste Asiático. Proteger a liberdade de navegação é um pretexto que os EUA estão acostumados a usar, a fim de aumentar a sua influência na região e mostrar sua força".

    "Há um grupo de pequenos e médios países do Sudeste Asiático que apoiam o fortalecimento da presença militar dos EUA na região, acreditando que, desta forma, serão capazes de se proteger da China", disse o especialista russo.

    "Se você olhar para a história, os próprios Estados Unidos ajudaram os chineses estabelecer o controle sobre as Ilhas Paracel, ambas pertencentes ao Vietnã em 1974, e as Ilhas Spratly em 1988."

    Eles (os EUA) criaram esta situação e agora os Estados Unidos não reconhecem estas ilhas.

    "Pequim não ficou impressionado com o episódio do navio de guerra norte-americano nas águas disputadas", disse o analista político estadunidense Hugh White. "Washington deve parar de fingir que pode continuar prejudicando o desenvolvimento da China".

    Segundo ele, os EUA correm o risco de pagar caro as suas ações no Mar da China do Sul.

    "Quando a Casa Branca começar a recuar em face de uma nova escalada por parte da China, a reputação dos EUA vai sofrer mais uma série de prejuízos: Washington vai perder a confiança da Ásia e dentro do país", opina o político estadunidense.

    "Uma resposta dura, por sua vez, poderá levar a um conflito aberto entre os EUA e a China, que é algo que se pagará ainda mais caro e em que os Estados Unidos não têm garantias de uma vitória fácil e rápida", concluiu Hugh White.

    As tensões geopolíticas continuam aumentando e isto ameaça a segurança e a soberania dos países da região.

    Mais:

    Chefe da Defesa dos EUA confirma presença de navio de guerra no mar da China
    EUA enviam navio de guerra para ação agressiva no mar do Sul da China
    John McCain: EUA falharam e Afeganistão agora pede ajuda à Rússia
    O avanço da Rússia na Síria vai de encontro à política dos EUA para Oriente Médio
    Tags:
    ilhas artificiais, Marinha, confronto, Ilhas Spratly, Ásia, Vietnã, Estados Unidos, EUA, China, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik