03:50 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton durante a audência na comissão especial pelo caso de Benghazi, 22 de outubro de 2015

    'Eu assumi a responsabilidade', diz Hillary Clinton sobre ataque na Líbia

    © AFP 2019 / SAUL LOEB
    Mundo
    URL curta
    14013
    Nos siga no

    A antiga Secretária de Estado norte-americana disse que assume responsabilidade pelo ataque em Benghazi contra o consulado norte-americano em 2012.

    Na quinta-feira (23), a antiga Secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton pela primeira vez testemunhou perante a comissão especial pelo assunto de Benghazi da Câmara de Representantes dos EUA (câmara baixa do parlamento norte-americano). A comissão especial acusou Clinton de falhar salvar vidas dos 4 diplomatas na cidade líbio de Benghazi.

    Clinton foi convocada pela comissão especial para testemunhar sobre o seu papel e conhecimento em relação ao ataque de setembro de 2012 contra a missão diplomática em Benghazi. O embaixador norte-americano Chris Stevens e outros três oficiais governamentais norte-americanos foram mortos em resultado de ataque.

    Segundo as mensagens, no dia em que foi morto, o embaixador Chris Stevens enviou um telegrama diplomático expressando a sua preocupação sobre a segurança da missão diplomática norte-americana.

    Além do caso de Benghazi, foi considerado o caso do uso, por Clinton, de um e-mail privado em vês de um governamental.

    Uma das deputadas presentes na audiência, Susan Brooks, disse a Clinton: “Só uma conclusão que posso tirar usando os seus próprios apontamentos… Não havia muito interesse pela Líbia em 2012”.

    A audiência de julgamento durou todo o dia. É a segunda audiência que assiste Clinton. A primeira se realizou em janeiro de 2013 na comissão de relações exteriores no Senado norte-americano. Durante a audiência de quinta-feira Clinton disse que assume responsabilidade pelo que aconteceu em Benghazi em 11 de setembro de 2012.

    “Assumi a responsabilidade e como parte disso, antes de deixar o posto, lancei reformas para proteger nossas pessoas nesta área e ajudar a reduzir a possibilidade de uma outra tragédia no futuro”, disse Clinton.

    Inicialmente, relatórios diziam que o ataque letal tinha ligação à al-Qaeda, mas três meses depois do ataque uma investigação independente descobriu que a missão norte-americana em Benghazi se tornou vulnerável devido a “falhas de segurança sistemáticas”.

    “Foi eu que pedi Chris [Stevens] para ir para a Líbia como nosso enviado. Depois de ataques eu estava ao lado do Presidente Obama enquanto fuzileiros navais levavam o seu caixão e os dos outros três norte-americanos do avião na base aérea de Andrews. Eu assumi a responsabilidade”, declarou Clinton.

    Antes de Clinton testemunhar na comissão especial a comissão de inteligência do Senado norte-americano divulgou o relatório que afirma que o ataque contra o consulado norte-americano em Benghazi poderia ser evitado senão houver segurança não suficiente e más comunicações entre os diplomatas. O relatório também acusou o Departamento de Estado de inação antes de ataque ser realizado inclusive a recusa de reforçar segurança da missão diplomática mesmo depois de a Agência Central de Inteligência (CIA) ter tomado medidas de segurança adicionais para proteger o seu próprio escritório em Benghazi.

    Tags:
    consulado, diplomatas, ataque, Hillary Clinton, Líbia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar