15:46 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Benjamin Netanyahu

    Netanyahu acusa líder palestino de ter convencido Hitler sobre holocausto

    © AP Photo / Cliff Owen
    Mundo
    URL curta
    13013

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou o líder palestino Haj Amin al-Husseini de ter incitado o extermínio de milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

    Ao discursar durante o 37º Congresso Sionista Mundial, Netanyahu afirmou que o líder nazista Adolf Hitler não queria matar os judeus, mas apenas expulsá-los, sendo convencido de exterminá-los pelo líder muçulmano al-Husseini, que morreu em 1974.

    "Naquele momento, Hitler não queria exterminar os judeus, queria expulsar os judeus. Então Haj Amin al-Husseini foi encontrar Hitler e disse: 'Se expulsá-los, todos virão para cá'", declarou Netanyahu.

    "'Então, o que devo fazer com eles?', perguntou (Hitler). Ele respondeu: 'Queime'", completou o primeiro-ministro.  

    A polêmica declaração não demorou para receber inúmeras críticas de deturpação da história e causar polêmica nas redes sociais. 

    O secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, em resposta, afirmou que as declarações de Netanyahu são "moralmente indefensáveis e incendiárias".

    "Netanyahu odeia tanto os palestinos que está disposto a absolver a Hitler do assassinato de seis milhões de judeus", disse Erekat, acrescentando que o líder israelense "deveria deixar de usar esta tragédia humana para ganhar pontos para seus objetivos políticos".

    Mais:

    Israel pode permitir prisão de crianças a partir de 12 anos
    'Política destrutiva’ de Netanyahu gera críticas tanto em Israel como no estrangeiro
    Israel e EUA voltam a discutir apoio militar
    Putin: Rússia discute luta contra terrorismo com Israel e países árabes
    HRW: Israel implementa 'receita para abuso' contra palestinos
    Tags:
    holocausto, Segunda Guerra Mundial, OLP, Hitler, Benjamin Netanyahu, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik