08:02 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    2191
    Nos siga no

    O perito militar Igor Korotchenko afirmou que os compradores de equipamento militar de fabricação russa agora serão capazes de dar uma boa olhada nos caças de ataque Sukhoi Su-34 que têm sido ativamente usados na campanha aérea liderada pela Rússia contra extremistas na Síria e saudado como o melhor equipamento que Moscou pode oferecer.

    Em entrevista à RIA Novosti, Korotchenko disse que Vietnã, Argélia e Iraque são potenciais compradores, mas acrescentou que outros países, incluindo Cazaquistão, Turcomenistão e Uzbequistão, estão cada vez mais interessados no Su-34. Ele acredita que muitos esquadrões deste caça poderão ser vendidos nos próximos cinco anos.

    "Vários países da África, incluindo Uganda e Nigéria, que estão travando uma guerra contra a Boko Haram, poderiam comprar o Su-34. Estes caças também poderiam reforçar a Força Aérea da Etiópia, que opera com envelhecidos Sukhoi Su-27, observou Korotchenko.

    Em 30 de setembro, a Rússia lançou uma campanha aérea destinada a ajudar as forças lideradas por Damasco na sua luta contra os grupos terroristas que estão tentando derrubar o presidente Bashar Assad. A operação foi autorizada pelas autoridades sírias legítimos.

    Como parte desses esforços contra o terrorismo, esquadrões aéreos, compostos por aviões de ataque Sukhoi Su-24M, Sukhoi Su-34 e Sukhoi Su-25SM, realizaram cerca de 550 investidas destruindo centros de comando dos militantes terroristas, depósitos de munições, bunkers subterrâneos e fortalezas.

    Baseado no Sukhoi Su-27, o Su-34 é um jato da geração 4 ++, que pode acelerar a uma velocidade máxima de 1.200 mp/h, aproximadamente 1.930 km/h, e tem um alcance máximo de 2.500 milhas, cerca de 4.000 quilômetros, sem reabastecimento.

    Tags:
    venda, caça, negociações, comércio, Su-27, Su-25, Su-34, Força Aérea, Boko Haram, Estado Islâmico, Bashar Assad, Turcomenistão, Uzbequistão, Vietnã, Etiópia, Argélia, Cazaquistão, Iraque, Síria, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar