14:43 29 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Por
    11291
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, garantiu neste sábado (17), em Teerã, que os testes de mísseis realizados por seu país não violam a resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU. Zarif afirmou que a República Islâmica nunca aceitaria que o acordo nuclear afetasse sua capacidade de defesa.

    “Não foi feita nenhuma referência à questão dos mísseis no Plano Integrado de Ação Conjunta (acordo sobre o programa nuclear iraniano) e acredito seriamente que nossos testes de mísseis não estão de forma alguma relacionados com a Resolução 2.231”, disse Zarif após reunião com o chanceler alemão, Frank-Walter Steinmeier.

    O chanceler iraniano destacou que até mesmo os EUA já entenderam que os testes não violam a resolução das Nações Unidas. Ele afirmou que o Irã provou mais uma vez que as armas nucleares não têm lugar em sua doutrina defensiva e que os mísseis do país não foram projetados para levar ogivas nucleares.

    No domingo (11), o Irã testou com sucesso o míssil balístico de longo alcance Emad, projetado para ser guiado até o momento do impacto. O ministro da Defesa do país, general Hossein Dehqan, disse a repórteres ao comemorar o sucesso dos lançamentos que esta arma aumentaria consideravelmente o poder militar e a capacidade tática do país.

    O Emad foi totalmente projetado por cientistas iranianos e produzido no país. O chefe da Defesa do Irã destacou que o fabrico do míssil pode ser considerado um grande salto tecnológico e operacional em um campo estratégico.

    Logo após o anúncio do sucesso dos testes do míssil Emad, alguns veículos da imprensa ocidental lançaram dúvidas quanto a legalidade do passo militar iraniano, alegando que seria uma violação à Resolução 2.231 do Conselho de Segurança da ONU.

    No dia 14 de julho, o Irã e o sexteto, grupo de mediadores internacionais formado por Rússia, China, EUA, Reino Unido, França e Alemanha, assinaram um acordo sobre o programa nuclear iraniano, o Plano de Ação Conjunta Geral. O documento prevê a verificação da natureza pacífica das ações atômicas da República Islâmica em troca do levantamento das sanções econômicas e financeiras à Teerã.

    Tags:
    contrariar, infringir, legalidade, testes, acordo nuclear, resolução, míssil, programa nuclear, Emad, Plano Integrado de Ação Conjunta, Nações Unidas, sexteto, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Hossein Dehqan, Frank-Walter Steinmeier, Mohammad Javad Zarif, Teerã, Irã, Reino Unido, Alemanha, China, EUA, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar