20:38 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Por
    1291
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, garantiu neste sábado (17), em Teerã, que os testes de mísseis realizados por seu país não violam a resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU. Zarif afirmou que a República Islâmica nunca aceitaria que o acordo nuclear afetasse sua capacidade de defesa.

    “Não foi feita nenhuma referência à questão dos mísseis no Plano Integrado de Ação Conjunta (acordo sobre o programa nuclear iraniano) e acredito seriamente que nossos testes de mísseis não estão de forma alguma relacionados com a Resolução 2.231”, disse Zarif após reunião com o chanceler alemão, Frank-Walter Steinmeier.

    O chanceler iraniano destacou que até mesmo os EUA já entenderam que os testes não violam a resolução das Nações Unidas. Ele afirmou que o Irã provou mais uma vez que as armas nucleares não têm lugar em sua doutrina defensiva e que os mísseis do país não foram projetados para levar ogivas nucleares.

    No domingo (11), o Irã testou com sucesso o míssil balístico de longo alcance Emad, projetado para ser guiado até o momento do impacto. O ministro da Defesa do país, general Hossein Dehqan, disse a repórteres ao comemorar o sucesso dos lançamentos que esta arma aumentaria consideravelmente o poder militar e a capacidade tática do país.

    O Emad foi totalmente projetado por cientistas iranianos e produzido no país. O chefe da Defesa do Irã destacou que o fabrico do míssil pode ser considerado um grande salto tecnológico e operacional em um campo estratégico.

    Logo após o anúncio do sucesso dos testes do míssil Emad, alguns veículos da imprensa ocidental lançaram dúvidas quanto a legalidade do passo militar iraniano, alegando que seria uma violação à Resolução 2.231 do Conselho de Segurança da ONU.

    No dia 14 de julho, o Irã e o sexteto, grupo de mediadores internacionais formado por Rússia, China, EUA, Reino Unido, França e Alemanha, assinaram um acordo sobre o programa nuclear iraniano, o Plano de Ação Conjunta Geral. O documento prevê a verificação da natureza pacífica das ações atômicas da República Islâmica em troca do levantamento das sanções econômicas e financeiras à Teerã.

    Tags:
    Rússia, França, EUA, China, Alemanha, Reino Unido, Irã, Teerã, Mohammad Javad Zarif, Frank-Walter Steinmeier, Hossein Dehqan, ONU, Conselho de Segurança da ONU, sexteto, Nações Unidas, Plano Integrado de Ação Conjunta, Emad, programa nuclear, míssil, resolução, acordo nuclear, testes, legalidade, infringir, contrariar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar