06:14 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Manifestação na Síria em apoio da Rússia

    Opinião: Rússia é muito forte para deixar Síria virar "Afeganistão"

    © Sputnik/ Andrei Stenin
    Mundo
    URL curta
    53641333

    A Síria não será para a Rússia um "segundo Afeganistão", por mais que o presidente dos EUA, Barack Obama deseje isso. A opinião é do ex-vice-ministro da Defesa dos Estados Unidos, Dov Zakheim, em um artigo para a revista “The National Interest”.

    “A Rússia fundamentalmente melhorou as relações com o Irã, Iraque, Egito e Israel, o que lhe permite cobrir todas as áreas da política do Oriente Médio. Tudo isso aponta para o fato de que Moscou possui posições fortes na região como nunca”, escreve Zakheim.

    "Enquanto todo mundo reconhece que Putin busca preservar a presença da Rússia na Síria, poucos percebem que a Rússia está em uma posição muito mais forte no Oriente Médio, mais do que jamais houve, até mesmo durante a União Soviética", continua o autor.

    Caça russo Su-30 na base aérea na Síria
    © Sputnik/ Dmitri Vinogradov
    O ex-vice-ministro observa que “a Rússia e o Irã são hoje os principais bastiões de Bashar Assad; a Rússia promove boas relações com o Iraque, que vem se tornando mais forte; a Rússia reforçou suas relações com o Egito”. Além disso, o autor destaca que a Rússia possui ótimas relações com a maior potência no Oriente Médio – Israel.  

    Todas estas circunstâncias, diz Zakheim, explicam por que Putin está em uma posição mais forte em relação à operação da Rússia na Síria do que outros poderiam estar em tal situação. 

    "De fato, Putin abraça todas as bandeiras no Oriente Médio, fora a da Jordânia e países do Golfo, mas parece que ninguém poderia ter algum impacto negativo sobre a sua intervenção no conflito sírio ao lado do governo de Assad", conclui. 

     

    Mais:

    Rússia pode criar base militar na Síria
    Vladimir Putin: Resultados militares russos na Síria são impressionantes
    O que, afinal, Turquia derrubou na fronteira com Síria?
    Ocidente pode estar enganado sobre alvos russos na Síria
    Cúpula da UE: mais críticas à atuação russa na Síria e desejo de derrubar Assad
    Hollande: Rússia, EUA e Irã precisam atuar em conjunto na Síria
    Tags:
    posição, operação, Barack Obama, Vladimir Putin, Oriente Médio, Afeganistão, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik