18:35 17 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A entrada do palácio Dolmabahce

    Carro-bomba vem à capital: Turquia lida com uma ameaça séria do Estado Islâmico

    © Sputnik/ Tural Kerimov
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    173860

    A Direção-Geral de Segurança na Turquia informou que o Estado Islâmico pretende explodir carros-bomba numa das maiores províncias do país, tais como Istambul, Esmirna e Diyarbakir.

    Segundo esta fonte, explosões podem ser realizadas se a Turquia se recuse a deixar a luta contra jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI, proibido na Rússia).

    As fontes na polícia e no Ministério do Interior turcos admitiram a informação e divulgaram que atualmente estão sendo realizadas buscas dos carros com explosivos do Estado Islâmico.

    A possibilidade de que o EI (que organizou em 10 de outubro o maior atentado terrorista na história da Turquia) pode estar preparando mais atentados no país é muito alta.

    Os oficiais turcos têm dados que provam a culpa dos terroristas do EI em Ancara e mostram que foram realizadas com o alvo de avisar as autoridades.

    Uma fonte na Direção Geral de Segurança na Turquia comentou a situação à Sputnik:

    “Fazemos todos os passos necessárias para buscar e tornar inofensivo os carros até eles ficarem detonados por terroristas. Está sendo realizada a verificação de meios de transporte suspeitos bem como toda a informação anônima que recebemos. Segundo os nossos dados, os terroristas do EI estão preparando um atentado em uma província grande do país”.

    Segundo serviços especiais da Turquia, nas cidades maiores de Istambul, Ankara, Esmirna e Diyarbakir cerca de dez carros-bomba de jihadistas. Eles notam que os terroristas do EI, tentando não atrair atenção excessiva, escolheram marcas de carros de classe luxo, e não caminhonete ou furgões, que eles usam coo de costume para atentados.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    Tags:
    terrorismo, Estado Islâmico, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik