22:33 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Hospital da ONG Médicos Sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão, após o ataque aéreo dos EUA.

    EUA sabiam que alvo de ataque em Kunduz era hospital

    © AP Photo/ Médecins Sans Frontières via AP
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    19131

    Analistas militares americanos sabiam que um hospital afegão era um local protegido dias antes de o edifício ser atingido por um ataque aéreo dos EUA que deixou 20 civis mortos, segundo a Associated Press.

    Analistas de operações especiais americanos estavam coletando informações sobre a instalação porque acreditavam ser ela usada pela inteligência paquistanesa para coordenar atividade do Talibã, segundo relata a AP.

    Entretanto, não está claro se os comandantes que ordenaram o bombardeio, que matou 22 pessoas — entre pacientes e funcionários —, sabiam que o local era um hospital ou estavam cientes da possibilidade de atividade inimiga no edifício.

    Segundo um ex-oficial de inteligência que teve acesso ao conteúdo, o material da inteligência americana sugeria que o hospital vinha sendo usado como centro de comando do Talibã e talvez servisse como depósito de armas pesadas.

    Alguns analistas americanos justificaram o ataque afirmando que foram mortos no ataque os integrantes paquistaneses que supostamente trabalhavam para um serviço de interinteligência do país. Contudo, nenhuma prova foi apresentada publicamente para apoiar essas conclusões — nem sobre a operação paquistanesa nem sobre as mortes de seus integrantes.

    A agência Médicos Sem Fronteiras (MSF), responsável pela administração do hospital, condenou o bombardeio como crime de guerra e insistiu em afirmar que não havia armas, munição ou atiradores no edifício. A MSF pediu uma investigação independente realizada por um painel internacional.

    Até agora, os EUA recusaram o pedido por uma investigação independente. Oficiais americanos dizem que as duas investigações realizadas pelo país em conjunto com um inquérito afegão, são suficientes.

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)

    Mais:

    Ex-embaixador do Paquistão na ONU: Autores de ataque a hospital afegão não serão punidos
    EUA admitem erro em ataque a hospital no Afeganistão
    10 erros dos EUA no Afeganistão além do bombardeio de hospital
    Médico: investigação estadunidense do ataque a hospital 'não é independente'
    Kathy Kelly: EUA tentarão fugir de responsabilidades por ataque aéreo a hospital em Kunduz
    Tags:
    inteligência, hospital, bombardeio, AP, Médicos Sem fronteiras, Associated Press, Talibã, Paquistão, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik